sábado, abril 09, 2005

Nudismo, ofensa ao pudor ou liberdade?

Ainda há pouco tempo tive uma grande conversa com alguns amigos sobre este tema, que na minha opinião foi, naquela altura, representativo de tantos outros temas que podia ter levantado sobre a vida em sociedade e as liberdades nesta...

Antes de mais gostaria de expor a minha posição sobre a vida e liberdade em sociedade, ora bem, como creio que todos irão concordar comigo, a vida em sociedade é restringida por algumas normas que fazem com que a nossa liberdade não restrinja a liberdade e vida de outras pessoas de um modo negativo deixando-nos no entanto o espaço para darmos a nossa opinião e tomarmos acções de todo o tipo, citando o dicionário:

Liberty

1. The condition of being free from restriction or control.
2. The right and power to act, believe, or express oneself in a manner of one's own choosing.
3. The condition of being physically and legally free from confinement, servitude, or forced labor.

Ora bem, assim sendo, é visível que o proprio principio de liberdade é a acção social livre não-agressiva e harmoniosa, sem que mesmo assim deixem de haver posições contrárias. Ora bem partindo deste pressuposto, e sabendo que Portugal é um país com a liberdade em vigor podemos dizer que caso não tenhamos uma atitude ofensiva ou de qualquer modo prejudicial ou maliciosa para com qualquer outro individuo deste planeta não estamos a violar os seus direitos, logo, estamos dentro da nossa liberdade de expressão.

Tendo isto em mente, intencionalmente, pus o tópico em discussão... como eu espera muitas das pessoas mostraram-se contra o que eu chamei "o direito de uma pessoa passear nua pela rua" argumentando que isto seria de algum modo ofensivo devido à nossa cultura e que a nudez poderia trazer efeitos-causa que não seria totalmente desejados, especialmente do tipo físico, pois seria embaraçante ver uma mulher "bonita" nua a passar por um de nós na rua, pois o "meio social" que nos rodeia e a nossa educação dita que não o deve ser feito..

Ora bem, não deixando de respeitar tal opinião não pode deixar de discordar, pois tal como perguntei de seguida, "Onde é que está o constrangimento, não é aqui na cabeça de cada um?" ao que me responderam que "sim... mas..."...

A conclusão que tou a tentar chegar é que acredito que por exemplo o nudismo em público é um direito, não uma ofensa ao pudor da sociedade, nascemos nús, temos sexualidade, não é uma coisa que deve ser escondida, ou reprimida, até porque isso tem efeitos radicalmente negativos, e não podemos fixar a nossa mentalidade no sitio em que nos encontramos, isso embora de inicio pareça ter sentido se pensarem bem não tem... imaginem que vamos para um país muçulmano onde as mulheres, por principio, cobre todo o corpo menos os olhos... ora bem, será que vamos mudar a nossa mentalidade e achar que é ofensivo não andar uma mulher toda coberta? E obviamente não estou a falar em sitios de "oração" porque não estou a falar em religiões nem em igrejas, nem templos, tou a falar em vida em sociedade e em sítios públicos multi-culturais...

Será mesmo que alguém nu vos ofende de algum modo ou constrange de modo a causar-vos um efeito negativo?

Se acham mesmo que andar nú não é uma liberdade nossa... acho mesmo que ainda temos muito que andar até realmente evoluirmos...

Porque não consigo escrever um livro...

Tenho um limite psicológico para a quantidade de texto que consigo escrever por iniciativa própria, mesmo que quando tenho vontade de escrever, sendo que após escrever entre uma a três páginas de texto deixo de controlar a velocidade do meu pensamento e ultrapasso largamente a velocidade da escrita.

Um livro meu tem que primar pela diferença na própria escrita, para eu ficar satisfeito. Ao ler tem que ter algo de tão especial que se reconhece o escritor sem se ter informação sobre quem ele é, pela positiva, sendo uma mistura ainda não totalmente idealizada de factos, humor, aventura e reflexões...

Quem sabe um dia...

sexta-feira, abril 08, 2005

Pensamento do dia

"Eles riem-se de mim porque eu sou diferente mas eu rio-me deles porque eles são todos iguais!"