sábado, julho 29, 2006

Ao comentador(a) do meu último post..

Boa tarde/noite comentador(a) do meu post.
Gostei de ver que às três da manhã alguém ainda se interessava por boa leitura.
Provavelmente foi para ver o que o neteinstein andava a escrever e não eu, espero não ter causado decepção.

Bom, partindo do princípio, sejamos francos connosco mesmos, amar e sentirmo-nos amados enche-nos o coração de tal forma que, depois de termos, se ficamos sem ele, provoca um vazio enorme.
Por um lado dou-te por feliz por ter conhecido o amor, realmente ter feito amor com uma pessoa, sentir que quem está connosco está de "corpo e alma" e no fundo é preciso sempre haver esse complemento.
Posso estar a parecer um pouco feminino, no entanto sou uma pessoa bastante "emotiva" (digamos), e sente muito o que se passa à sua volta. Fico feliz quando o ambiente que me rodeia está bom, fico triste quando o ambiente é mau, mas quase nunca o demonstrando (quer uma quer outra).

Seguindo, por outro lado, conhecer o amor faz-me perceber o quando sinto a sua falta, e isso, quer eu queira admitir ou não, quero sempre encontrar quem me faça feliz.
Efectivamente não quero estar só, mas também não quero estar acompanhado só por estar. Quero alguém que me faça sentir bem comigo mesmo e me faça acordar com um sorriso e ter gosto em viver.
Muitas vezes isso escapa-me de manhã, e depois acaba por ser só mais um dia em que não sinto emoção de viver, e isso faz-me falta.

Adientando, cresci muito com as duas relações amorosas mais importantes da minha vida, que de resto já passaram, mas fez-me ver como nada consegue ser perfeito, há sempre pormenores a emendar e pequenas coisas que ninguém dá importância podem acabar com uma relação.
Eu sou ciumento, e ainda não aprendi a lidar muito bem com os meus ciúmes.
Consigo controlar-me, mas cá dentro fica uma espécie de bomba que só tem vontade de explodir.
Enfim, tenho que aprender, é só mais um pormenor, mas que pode acabar com a relação de uma pessoa, especialmente porque eu tenho um jeito inato de dar cabo de coisas!

Isto é mais como que um desabafo do que propriamente um texto de leitura de qualidade, no entanto tento exteriorizar e só lê quem quer e não acha maçudo.

Quanto ao meu trabalho, realmente é deveras aborrecido muitas vezes, contudo alguém tem que o fazer e neste caso, tenho que ser eu, se não vou para o olho da rua :)

Bom meu caro (ou minha cara), espero não ter-te aborrecido com isto e prometo que vou tentar que os meus próximos textos sejam de algo realmente útil e bom de se ler!

Agora vou sair, enfrascar-me, fazer e dizer palhaçadas a ver se animo um bocadinho, o que também é necessário.

2 comentários:

Anónimo disse...

Boa Noite, "escritor". :)


Presumo que o comentador(a) do teu post seja eu e que, portanto, este seja dirigido a mim... E expresso, de alguma forma, uma certa honra nisso e... Agradeço. :)

A leitura que de ti - independentemente de quem sejas - faço é sempre agradável... Ou caso contrário não a faria. (Não tenho por hábito fazer coisas que não me agradam... Seja porque motivo for... Um defeito, talvez. :))


Tive conhecimento do teu blog de uma forma um pouco bizarra... E digamos que o que me trouxe cá não foste tu... Não foi o NeTeInStEiN... Foi Einstein... :) Foram poemas e foram... Hum... Memórias. Pequenas identificações e reconhecimentos, suponho. Neste momento, procuro ler todos os dias aquilo que quem escreve o que aqui aparece escrito escreve... Por mais ilusório que seja ou não. Se essa pessoa és tu ou o NeTeInStEiN é-me totalmente indiferente. É apenas uma pessoa que gosto de ler e... É esse o motivo pelo qual cá venho. :)




E esperando que tenhas entendido o ponto anterior sem dúvidas (pois presumo que ao tê-las mas perguntarás... :)), prossigo... Amar e ser amado é... Único. :) E é como tudo na vida... Se estamos habituados a acordar de manhã e a ter todo um Mundo para nós... Atenção, carinho, amor, conforto... Sentimentos... E um dia acordamos e deixamos de ter... Fica um espaço incompleto. Demasiado incompleto. Quer na cabeça... Quer no coração. Concordo que há a necessidade de um "equilíbrio" entre o "corpo" e a "alma"... Apenas acho que... Tudo a seu tempo. Os sentimentos e opiniões não se medem pelo sexo de cada um e... Não demonstrares quando te sentes mal ou bem perante determinado ambiente tem os seus prós e contras... O amor faz sempre falta, quer queiramos ou não. E sentir uma companhia que realmente nos complete é tão bom... Um sorriso, um pequeno-almoço à cama... Uma viagem juntos... Um banho quente bem agarradinhos... Uma Noite fria com os pés quentinhos... Alguém ir-nos buscar ao trabalho num dia de vento e chuva... Compartilhar o mesmo guarda-chuva... Cozinharmos e inventarmos cozinhados... Provarmos cada molho... Rirmos juntos por casa arroz cru... Ou por cada prato queimado... Passearmos pelo campo... Contarmos juntos as estrelas do céu... Fazermos juntos mapas de estrelas... Falarmos horas infinidas... Pôrmos um CD suave e dançarmos nas nossas casas... Bem quentinhos... Bem aconchegados... Bem juntos. A harmonia... São... Sonhos. :) Confesso que nunca encontrei ninguém que os compartilhasse. Será uma forma de pensamento esquisita? Ou será ela apenas demasiado... Hum... "Femininina"? :) Podemos não ter o Mundo hoje, mas... Aos poucos e poucos... Vamos construindo-o para amanhã... O que nos faz falta hoje... Podemos trabalhar para que exista amanhã... :) Dizem que há uma pessoa no Mundo que nos é reciprocamente destinada... Uma só. E temos uma vida para a encontrar... E uma vida para a aproveitar... Mas milhões delas para a reencontrar. No entanto... É nesta que nos devemos concentrar e dela devemos sempre partir o mais felizes e completos possível... É um ponto de vista que, de certa forma, me agrada... Aprofundei-o, digamos assim, num livro de nome "Só o amor é real"... Algo estranho... É de Brian L. Weiss, M.D.. Quando o li foi... Tão estranho. Tão... Subtil. :) Mas tão completo e, de certa forma, "real". Quem sabe se assim não é? Quem sabe... Quem sabe... Há várias pessoas que são especiais e que nos ajudam na nossa vida e a limar as nossas arestas... Mas há-de haver aquela... A "final"... A que nos é irremediavelmente "reciprocamente destinada"... Pode ser que a encontremos... "Quem sabe"... :)
Posso dizer-te que cresci, aprendi e vivi muito igualmente em duas relações passadas... Foram muito importantes para mim a todos os níveis. E muito longe de ser perfeitas. Com ambas aprendi e ambas modificaram muita coisa em mim... No entanto, o balanço é mais que positivo... :) Quanto aos ciúmes... Quem não os tem...? São a expressão tremenda do medo que temos de perder alguém... Acho-os um sinal de amor. Quanto uma pessoa sente amor por nós (e não uso a palavra amar por... Algo...) tem sempre duas opções... Compreender, aceitar e tentar ajudar-nos a contornar os ciúmes... Ou pô-los acima do que sente. Se fizer a primeira, a coisa resulta... Dois amores são tão mais fortes que um só... :) Se fizer o segundo... Então é porque ainda não é a pessoa certa... E se não é... Hás-de encontrar a tua. Mais tarde ou mais cedo... Nós não damos cabo de coisas... Cometemos erros... Resta saber se as pessoas que nos "aturam" gostam de nós o suficiente para as perdoar e, como propositadamente usei acima, "aturar"... :)

Desabafa sempre que precisares... Gosto de te ler... Independentemente do teu intuito ao escrever. A leitura de qualidade se denota pelo tema, mas sim pelo sentimento que transparece... E quer seja um desabafo ou não. Gosto do sentimento que transparece a tua escrita. A partir daí... É uma leitura de qualidade. :)



Não sei o que fazes, mas, quanto ao teu trabalho... Hás-de arranjar forma de o tornar menos secante... Nem que seja andando todo o dia bem disposto e com um sorriso de orelha a orelha. :)



Não me aborreceste e quer este, quer os anteriores e estou com bastante certeza de que quer os próximos sejam igualmente úteis e bons de se ler. É sempre um prazer.



Sai, diverte-te, sorri, olha para as estrelas e para todas as coisas boas do teu caminho... Anima-te com as coisas mais simples e com a simples brisa... Não precisas enfrascar-te nem fazer e dizer palhaçadas para te animares... Olha em volta... Observa realmente o que te rodeia... E sorri. Lembra-te que há sempre arestas a limar em cada pedra... Mas, na Vida, nada é perfeito... Lima o máximo de arestas que puderes... Mas nunca exijas uma pedra perfeitamente limada... It won't happen... :)

...E aí está a piada e o desafio da Vida. :)



Boa Noite e, novamente, agradeço o teu post, o teu desabafo e o pequeno intervalo agradável de tudo o que de resto me rodeia que me proporcionas todas as Noites. :)

Anónimo disse...

Peço desculpa por voltar novamente a escrever, mas... Pretendia partilhar algo contigo desde que iniciei a minha escrita e, no final, passou-me completamente ao lado... Sendo que és sempre tu a compartilhar algo... Pretendo ser eu a fazê-lo desta vez. Chama-se "The Lake House" ou, em português, "A Casa da Lagoa"... Confesso que apreciei este filme como há muito não gostava de um... É algo... Fabuloso. Não posso pôr uma hiperligação para o link na IMDb, mas deixo o link aqui. É ele: http://www.imdb.com/title/tt0410297/ ... Caso possas e estejas interessado... Vai ver... Ambos. :) Quer o link quer o filme. É a história de um amor que, se não existisse o que irremediavelmente o impossibilita, não existiria. Será que realmente podemos ver no pôr-do-sol... Ver numa chávena de café quente ou ver na neve alguém que nunca vimos? Apaixonarmo-nos por uma essência... Uma maneira de ser que nos agarra... Que nos prende por um motivo que nem nós sabemos bem? Por uma troca de letras... De pensamentos impressos em folhas brancas...? Partilhados com alguém quando mais ninguém além dessa pessoa os irá entender da mesma forma? Existirá um amor assim? E na sua impossibilidade... Poderá realmente existir? Este filme é a "prova" disso... É a história de um amor impossível mas com uma oportunidade... E outra. E uma oportunidade de se tornar possível... E uma possibilidade irremediavemente impossível... Ou deverei dizer uma impossibilidade irremediavelmente possível? É fantástico... A começar pela história, a passar pela representaçãp e a acabar na banda sonora... Acima de tudo, baseia-se e faz referência inúmeras vezes a um dos meus livros preferidos... "Persuasion", de Jane Austen... Que aborda, igualmente, um amor... Com oportunidades para se tornar possível... Não sei se já o foste ver, mas, não tendo... Se tiveres oportunidade e vontade, vai... :) Aqui está o link do trailer...: http://www.imdb.com/title/tt0410297/trailers-screenplay-E27739-10-2 ...

Espero que gostes e que seja, pelo menos, uma boa "partilha"... :)

Can this be happening?


Even though this is clearly impossible... It's amazing...