sábado, setembro 30, 2006

Steve Jobs




Acabei ontem de ler este livro...

Confesso que foi daqueles livros que me vidrou, queria lê-lo de uma só vez...

Podem até estranhar esse meu fascinio, porque não sou dos "seguidores" da Apple, e pouco conhecia sobre Steve Jobs, mas à medida que fui lendo o livro, e "via" os anos a passarem a as coisas fantasticas que Steve Jobs consegui, ainda mais, como as conseguiu queria ler mais, queria saber "o fim da história".. mesmo sabendo que tal não existia pois felizmente Steve ainda está vivo e traça os rumos da Apple, e da Pixar.

Mas adiante.. a verdade é que pelo pouco que sabia de Steve Jobs, tinha já ouvido falar dos seus "métodos incomuns" do eterno "rebelde" de t-shirt e calças de ganga que chegou, viu e venceu... a verdade é que esperava um líder à medida do que considero um líder "exemplar"... uma pessoa tolerante, que dá espaço à criatividade, que ele próprio "vive" de rasgos de criatividade, criando o ambiente ideal para os grandes génios... um pouco o lema de nem sempre o dinheiro é o mais importante e a valorização das pessoas e do seu trabalho.. claro que criticando quando este não vai no sentido correcto.


Tive um grande "choque" com o passar das linhas ao "conhecer" um Steve Jobs altamente autoritário, que usava as pessoas e suas ideias para o que lhe dava jeito, dizendo que eram suas... ainda mais espantando fiquei ao compreender que apesar de tudo isto e de muitas pessoas se afastarem dele porque já não conseguirem suporta-lo, que ele passo-a-passo tinha sucesso, muito devido ao trabalho dos que estavam ao seu lado, mas também sempre com a sua marca, e com o seu carisma que conseguia estimular as pessoas a trabalhar ao seu lado, fazendo-as acreditar no que ele acreditava, mesmo que isso fosse para todas as outras pessoas que viam, impossível...

Era o sonhador misturado com o ditador... uma mistura que nunca vi, e que confesso que me faz imensa confusão...

É a pessoa que necessita de ter as atenções e a glória para si...

É o líder que não estava à espera de encontrar...


No entanto os resultados são indiscutíveis, ele teve sucesso... ele é um gestor de sucesso... no entanto os motivos por trás disso são discutíveis. Confesso que pelo que li sobre ele, percebi que teve muito mérito pelas suas ideias exímias de design, mas acabou por ter uma filosofia que conseguia "afastar" dos cargos de poder as pessoas que não lhe interessavam, e de se apropriar das medidas que elas tinham tomado antes quando assumia certo cargo.


A verdade é que Steve Jobs chocou-me por ser um miúdo rebelde, que fazia o que queria, quando queria, acompanhado de quem queria...

Uma das provas disso é que ainda jovem, convenceu os pais a inscreve-lo numa faculdade que não tinham posses para pagar e passado algum tempo desistiu de estudar.

A sua rebeldia que se tornou em carisma acabou por marcar tudo à sua volta, e torna-lo num verdadeiro icone, depois de ser afastado da Apple, empresa que tinha fundado, pela sua personalidade, fundou a NeXT e comprou de seguida a Pixar, esteve com ambas à beira da falência, mas sem nunca desistir delas, também motivado pelo seu orgulho que não lhe permitia falhar depois de ser afastado da Apple...

Ironicamente, a própria Apple comprou a NeXT e salvou-o da falência, enquanto a Pixar em sociedade com a Disney mostrava ao mundo a nova onda de filmes animados... voltou a mostrar a sua personalidade quando conseguiu afastar o CEO da Apple que o tinha trazido de volta à empresa aquando da compra da NeXT e conseguiu imediatamente ser nomeado CEO...


E assim renasceu o ícone, magnata do cinema, dos computadores e mais tarde com o nascimento do iPod e iTunes da música...

A mágia de Steve como muitos dizem é conseguir concentrar um grupo de pessoas e faze-las acreditar no que ele acredita... e conseguir de facto concretizar o "sonho" com essa motivação.

É curioso ver como alguém que foi repreendido no inicio da Apple pelo CEO da altura por não tomar banho, alguém que não aceitou inicialmente a paternidade da própria filha ou que tinha relações humanas tão frágeis...alguém que usava um grande amigo e mais tarde outras pessoas menos próximas....chegar mais longe do que todos os outros.

Pouco percebe de software, mas tem ideais e consegue transmiti-los aos seus empregados para que eles, os génios da programação e hardware consigam concretiza-los.



What's next Steve?



Confesso que mesmo assim, nunca trairia a confiança de alguém para ter sucesso, o mundo dos negócios é duro, mas as minhas convicções ainda são mais.

Admiro o Steve pela sua visão, mas não pela sua liderança... é um génio, mas não o líder que com gostaria de trabalhar.

Aprendi algo, de facto mais do que o nosso entendimento, para líderar é preciso apenas a visão de futuro, e mais do que tudo a transmissão de sonhos... fazer alguém acreditar que o sonho é possível é a "arma" mais poderosa de todas.

Aprendi acima de tudo, que apesar de ele ter o nome e o carisma, os outros génios, maiores ou menores que ele, estiveram sempre na penumbra, a avançarem em passos gigantes com software, hardware, música e cinema!


Sonhar e acreditar...

...é afinal é a maior visão de todas!

Sem comentários: