quarta-feira, maio 23, 2007

Faz-me impressão...


Confesso que desde há alguns anos algumas pequenas coisas vão mudando na minha forma de agir e pensar, como é natural, mas umas em particular sinto imenso.. o cuidado com alguns desperdícios.

Provavelmente uma grande quota parte dessa maneira de estar devem-se aos campos de férias que desde há alguns anos faço, mas a verdade, é que para além disso, já fazem parte de mim, e não sei até que ponto foram só os campos a influenciar a minha atitude nesse sentido... ou se foi uma coerência na maneira de estar...

Mas filosofias à parte, realidades à vista, ultimamente não sou capaz:

- Deixar uma luz, televisão, whatever, ligado quando não é preciso... normalmente volto atrás e ando a desligar metade das luzes de casa - faço-o muito por dar valor a quando não a tenho, e por saber que a ter é um privilégio;

- Levar papel num tabuleiro de refeitório que não esteja sujo/molhado e que o justifique - não tenho grande "medo" da madeira... afinal de contas ela não me come...;

- Usar folhas de papel à bruta (por acaso é das coisas que mais me custa é ver folhas e folhas de papel apenas com uns riscos a serem deitadas fora, e nem irem para a reciclagem... eu acabo por usar a parte da frente, e guarda-las num monte, quando preciso de rascunhos, tenho a parte de trás delas...)

- Deitar lixo para o chão... sou capaz de andar com papel no bolso durante horas porque me faz confusão mandar para o chão - porque é fácil deitar para o chão, mas apanhar é muito mais difícil, e se não gosto de apanhar, faço para que os outros também não tenham que o fazer;


Não me considero um ecologista, e também não o faço pelo dinheiro que poderia poupar com alguma delas... é algo que acabou por se integrar tanto em mim que não consigo evitar...


É engraçado porque não me canso de o fazer, mesmo quando vejo pessoas à volta a não terem a mesma filosofia que eu...

... no fim do dia sinto-me bem comigo mesmo...

1 comentário:

Mystikal disse...

É simplesmente a maneira correcta de agir, todos nós deveríamos fazer o mesmo. São princípios de vida.
É a diferença de quem tem consciência.