sexta-feira, junho 08, 2007

Concerto


Inicio de dia, (ou será fim?!), o cansaço não deixa bem perceber.

Já lá vão uns dias sem parar o ritmo, quase sem dormir, e sem parar de trabalhar.

Ainda mal tinha acordado e começa um adeus a um grande amigo, é mesmo bom ver as pessoas receber o afecto e reconhecimento que merecem... é bom ver que elas sentem isso na pele, e que se emocionam. É bom ver que pudemos contribuir para um "obrigado" sentido, e que é um adeus que se sente como até já porque a amizade não se perde no tempo...

Como tudo ultimamente, não tenho tempo para digerir, arranco, pelo país, mais um sitio visitado...


Finalmente, rumo ao norte, vou com o objectivo de ir ao concerto da Mafalda Veiga, confesso que nunca foi uma cantora que me tivesse chamado a atenção, no entanto a companhia valia a pena.

Chegamos, mesmo em cima da hora... vejo pessoas conhecidas, abraços de pessoas que me mimam só por estar ali, estou reconfortado... no meio disto surge uma rapariga que me diz "Olá!", digo-lhe "Olá Lúcia", vejo um sorriso e ouço uma exclamação "Lembras-te de mim!".... e pouco depois começa o concerto da banda que ia introduzir...

O concerto inicial foi uma surpresa muito agradável, sentia-me desperto do sono e cansaço, e a exclamação daquela rapariga não deixava de estar presente... foi um sorriso agradável, por algo tão simples como lembrar-me... foi uma alegria tão espontânea que me contagiou, foi simplesmente especial...

O concerto avança, e aparece a Mafalda... estava embrulhado nestes pensamentos, e de repente vejo uma Mafalda emocionada pela recepção que teve, pelo carinho das pessoas que a ouviam, e pensei o quanto era parecido com aquela rapariga que me tinha falado antes... também ela sentia o reconhecimento, de mais pessoas, mas era o reconhecimento... era o estar ali para a ver e ouvir... era o estar ali por ela, conhecer as músicas delas, cantar e agradecer-lhe com gestos, ela estava emocionada...

Também a rapariga me agradeceu por algo que para mim era banal antes, agradeceu sem palavras, só com o olhar...

Ouvia músicas que contavam histórias dela... ouvi-as de outra maneira, eram músicas que revelavam muito... era músicas que só podia perceber ali...

Até ao fim do concerto não me saia do pensamento: "Toda a gente merecia de vez em quando estar ali no palco...", enquanto isto sorria, se não fosse o desafio de uma pessoa não tinha estado ali, com ela, e percebido tudo aquilo...


Foi uma viagem lusco-fusco...

...mas valeu brutalmente a pena!

1 comentário:

Tiago Madeira disse...

Bonito reconhecer na banalidade do dia-a-dia os Toques de Deus!
Abraço