segunda-feira, julho 23, 2007

Faina do atum...


Hoje tive uma viagem.. não foi nada que tivesse planeado, foi um pedido de última hora para transportar pessoas de um destino para o outro... de comboio.

O comboio tem 2 coisas que me fascinam bastante:

- A primeira coisa que é podemos ir a ler, ou dormir ou afins enquanto viajamos algo que de carro me faria ou enjoar, ou caso não enjoasse não seria possível porque significava que estava a conduzir.

- A segunda coisa é que vamos com pessoas ao lado tipicamente desconhecidas... há alguns anos ficaria quieto e calado no meu canto e não tomaria o primeiro passo para uma conversa, mas ultimamente acho fascinante ouvir a história que cada pessoa tem para contar... desta vez era um senhor nos seus quarentas....

Estava há mais de 1 hora a ler uma revista que achava pouquíssimo interessante, mas o tempo estava a custar a passar... comboio chega, sento-me, fico a acabar de ler... senta-se um senhor ao meu lado. Estava entediado, resolvi tomar o primeiro passo e oferecer a revista p'ra ele ler... isto pouco ou não interessa, o interessante é que passados alguns minutos estava a ouvir falar da sua vida de pescador... e da faina do ATUM! Horrivelmente, tive vontade de rir quando a historia daquele senhor era mesmo séria... mas parecia saído do Gato Fedorento...

Ultrapassada essa reacção ouvi a história dele, aprendi algumas coisas, concordei com algumas, discordei de outras... mas sobretudo senti-me em paz...

Acho que só agora percebi porque... creio que foi por sentir que afinal a esperança não está perdida... é possível haver sintonia entre pessoas estranhas, pessoas até com filosofias diferentes, vidas diferentes e objectivos e visões totalmente diferentes...

Afinal a mudança está em nós...

...não no mundo!

1 comentário:

Tozé Franco disse...

Não acredito em pessoas que querem mudar o mundo sem mudarem nada nelas.
A mudança começa realmente em nós.
Um abraço.