sábado, fevereiro 24, 2007

Testemunhos


Tive o privilégio de ser convidado para director de Campinácios este ano como tinha referido há alguns posts atrás.

Trouxe-me bastante trabalho, mas trouxe-me também um dia, que me marcou imenso, fui para uma formação sem grande expectativas pelas experiências anteriores...

Mas ao chegar ouvi de boca aberta um testemunho de uma animadora, das poucas que "restam activas" do inicio do movimento, ou mais correctamente que começou a participar no inicio do movimento...

Fiquei completamente desarmado pelo testemunho que ela contou, de uma menina mimada e que fazia birras e chorava à qual foram "atribuídos" alguns animadores para a animar... a qual passou fome no campo...

Essa miúda e agora uma das animadoras que mais admiro... ao passar fome, pensou "eu conseguia fazer melhor" e ousou querer ser mamã um dia. Ao ver animadores atribuídos a ela, apenas para a tentar alegrar-se, percebeu que valia mesmo a pena parar de chorar, e sorrir, sorrir para quem tinha paciência suficiente para a aturar, para quem tinha paciência suficiente para a tentar fazer sorrir, para quem tinha um coração grande o suficiente para a acolher sem a rejeitar por ser mimada.

Devem-se estar a perguntar porque da imagem acima de arvores e frutos... eu próprio me perguntei quando ela mostrou uma semelhante...

A verdade é que, "Pelos frutos se conhece a árvore", não é apenas uma expressão que aqui fazia sentido... foi a primeira expressão.. ou devo dizer, tema, dos campos de Campinácios.

Hoje tive uma lição de vida...

...obrigado!

quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Eng. Pedro


Para quem no último post ficou "Eng. Pedro ?!?!??" fica aqui então a história...

Estava eu numa aula de sistemas operativos numa quarta de manhã, de referir que era a única teórica que eu ia, porque gostava mesmo das aulas, e era num anfiteatro, o maior do meu departamento, estando normalmente bastante cheia a aula.

O professor era espectacular, e tinha algumas frases características, umas delas é "Um engenheiro não pode achar tem que ter a certeza!"

Dado o contexto, estava na aula e então o prof. pergunta se alguém sabia o valor de retorno de uma função xpto do C (linguagem de programação), era algo bastante rebuscado e por coincidência tinha visto à alguns minutos a ajuda sobre essa função...

Dedo no ar, moral em cima, e ele diz " Então diga lá o que é que você acha."

E eu, ainda cheio de moral respondo: "Eu não acho nada, eu sou engenheiro e por isso tenho a certeza que é -1".

Houve um silêncio assustador por alguns segundos, e depois toda a gente desatou a rir com o professor sem saber o que dizer...

Ele vira-se então e diz... "Tem mesmo a certeza?" (com cara de quem diz... tas tramado amigo).

E eu já hesitante digo... "Eu acho que sim..."

Nem vale a pena referir que o riso ainda foi maior...

E o prof. já com cara de divertido diz: "Acha? Então não tinha a certeza? Então e se fosse um Eng. Civil, chegava a uma ponte, e perguntavam-lhe:
Isto vai cair?
E você: Não, claro que não!
Tem a certeza?
Eu acho que não..."

Nítido dizer que foi uma entrada de leão... e saída de gatinho.

Valeu pelas risadas e bom humor...

...a partir dai obviamente, passei naquelas aulas a ser o Eng. Pedro!


Ps: A história obviamente não acabou por ai... numa das aulas seguintes, o prof. pôs-me a "dar" metade da aula, que era sobre a resolução de um exercício usando o portátil dele...

terça-feira, fevereiro 20, 2007

Praxe


Esta parte da "praxe" deu-me algum prazer...

Para quem não sabe, ao penúltimo ano dos cursos da universidade de Coimbra, quem quiser, vai no carro na Queima das Fitas, cada carro tem um pequeno livro com as caricaturas de cada um dos que vai no carro... com algumas bocas à mistura :-P

Fazer a caricatura num serão de muito riso, com o companheirismo a aumentar entre gargalhadas.

E a história do Eng. Pedro...

...obviamente não faltou :-P

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Decisões


Há dias em que temos 2 opções:

- Jogar com a vida
- Ser sinceros

Tenho optado por ser sincero... é duro, mas no fim do dia sinto-me tranquilo...

...e isso vale por tudo o resto.

domingo, fevereiro 18, 2007

Relax...



Sinto-me bem hoje... por as cartas em cima da mesa e abrir o jogo da sinceridade é mesmo das melhores coisas que podemos fazer.

Porque afinal falar abertamente...

...é ser honesto com os outros e com nós mesmos.

sábado, fevereiro 17, 2007

Relações II


Faz-me alguma confusão quando alguém considera uma relação uma prisão...

Primeiro, porque nunca achei que a vida era um concurso "quantas namoradas já tiveste?", sempre achei, e acho que na parte afectiva é uma busca por uma pessoa que nos acompanhe, ou então opção pelo celibato, tendo objectivos desportivos, profissionais ou religiosos que em consciência percebemos que nos impediriam de ter uma família, por não lhe dedicarmos o tempo necessário.

Se estivesse noutra cultura, na muçulmana, talvez falasse em múltiplas mulheres, mas a verdade é que por vários motivos acho que a opção de uma única é sensata, primeiro, obviamente, pela sociedade e educação que tive que me indicam isso... mas também por conclusão de objectivos, ou seja, resposta à pergunta "Porque procuramos alguém?", ou talvez nem procuremos, mas achamos na mesma...

Se eu responder a essa pergunta, respondo que é alguém que é uma amiga das mais profundas, pela qual tenho uma atracção pela personalidade e física, (aquilo a que normalmente se chama química), e com a qual me sinto bem, e partilho o meu intimo, e quero continuar a partilhar.

Quando falam em poligamia lembro-me sempre do filme que referi à uns posts atrás Kinsey em que a história anda à volta de um professor que é da opinião que todos os actos sexuais que se sente vontade, devemos dar continuidade, (se consensual e ambos adultos)... existe uma equipa a trabalhar com ele que toma também esse principio, mas a certa altura quando existem relações físicas que se tornam mais do que isso entre pares de casais diferentes, tudo começa a ser complicado... as discussões espalham-se... e em pouco tempo as amizades dissolvem-se.

Aquele filme fez-me pensar como se já é difícil manter uma relação com uma pessoa, como seria impossível manter, pelo menos para mim, uma relação com várias, nem que fosse noutra cultura... e como as relações físicas, não são só isso, são uma troca de intimidade e afecto... mesmo que as pessoas não se apercebam disso inicialmente... mais tarde irão ver consequências disso.


Prisão? Eu chamaria-lhe realização do plano afectivo...

...mas talvez eu seja "tradicional"...

sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Relações I


Há algum tempo dedico bastante do meu tempo acordado a pensar sobre relações... amizade, relações a 2, familiares... fascinam-me.

A verdade é que sou um "puto da TV", daqueles que nos anos 80 era viciadíssimo em TV, e passava horas em frente à TV, e provavelmente dai tirou algumas das maneiras de lidar com as pessoas. Das pessoas à sua volta tirou a restante maneira de estar na vida... pelo menos até certo ponto da sua vida...

Na TV, vemos sempre um casal a passar pelas aventuras mais loucas, e a ficar junto, depois das maiores adversidades que podemos imaginar, vemos-los a correr, a beijarem-se, a discutir, a viajar, a lutar as vezes, abraçados, a chorar, até a fazerem sexo... mas é engraçado como poucas vezes os vemos a conversar sinceramente... há sempre o amigo que é confidente, ou o espelho com que falam ou ainda a viagem à praia onde ficam a olhar o mar e a pensar nas coisas sem nunca falar nelas...

É engraçado, há muito em mim que vêem da TV, isso é um facto, ainda hoje quando estou a adormecer sonho acordado com alguma grande jornada onde sou um dos "heróis do filme" e depois de mil e uma aventuras acabo em glória, "feliz para sempre"...

Mas, há coisas que cresci, (ainda bem), aprendi que numa relação, seja amizade ou namoro, (falo apenas em namoro, porque acho que assim que o casamento deixa de ser um namoro, algo está muito errado...), há partes que não "vêm nos filmes", são as mais dificeis, são as partes em que conversamos abrindo-nos completamente, não tendo intermediários.

Dizendo, sinceramente, o que achamos que se passou de bem, ou de mal se for esse o caso... COMUNICANDO!

Aprendi, que isso sim é uma relação... provavelmente com o avançar da relação à muitos gestos que não precisam de palavras, basta um olhar, mas continuarão sempre a haver imensos que precisam...

Uma relação é isso, coragem de seremos sinceros, e coragem do outro de aceitar a nossa visão...

Uma relação é aceitar os defeitos da outra pessoa, sabendo que alguns farão sempre parte dela... e que não é boa política tentar "apaga-los à força".

Uma relação é também passar horas a falar sobre tudo e nada, a rir, e a as vezes a desabafar...

Uma relação é a abertura mais pura de nós mesmos, talvez o maior risco de todos.

Uma relação é conhecer cada dia mais um bocadinho, tendo sempre espaço para a surpresa, até porque acho que nunca se conhece alguém por completo, todos os dias a pessoa cresce mais um bocadinho, e fica mais um bocadinho para conhecer...


Afinal nem tudo se aprende na TV...

E fora dela, eu aprendi que uma relação é saber rir e as vezes chorar, conversar sinceramente...

... e no fim de tudo, com carinho, sorrir!

quarta-feira, fevereiro 14, 2007

Campinácios


Este é um projecto quase a tomar forma...

Por enquanto podem ver este vídeo...

...como diria alguém que eu conheço "é um espevita"!


segunda-feira, fevereiro 12, 2007

Referendo


Confesso que Portugal me desiludiu...

Depois de uma campanha quase "politica", e bastante partidária ao contrário do que era suposto, (na minha opinião)... o sim ganhou...

Como diz um amigo meu "agora uma vida vale menos que um download ilegal"...

...continuarei a não ter o aborto como opção, mas como estamos em democracia, respeito o resultado.

domingo, fevereiro 11, 2007

sábado, fevereiro 10, 2007

Just watch the fireworks

Antes de mais felicito o Pedro publicamente por um ano. De certo que a nossa amiga M. o faz muito feliz e os meus desejos passam por que continue a fazê-lo por muito mais anos.

Ao contrário, eu dei, este fim de semana, por terminada uma relação que teve muitos altos e baixos, durou quase dois anos, com separações e corações partidos em muitos pedaços.
A história é comprida e não há tempo nem motivo para a expôr.

Só tenho pena de uma coisa: Quando são elas a terminar eu tenho que compreender que "os sentimentos mudam", que "o tempo cura tudo" e "quero continuar a ser tua amiga", mas quando somos nós, o caso muda completamente de figura, já somos insensíveis, cabrões, mentirosos e outras coisas. Enfim.. Que se há-de fazer?


E em resposta (muito tardia) ao meu amigo Pedro, vou postar 6 coisas sobre mim mas não irei desafiar ninguém pois ninguém que eu conheço visita este blog. (Tenho que tratar disto)

1. Adoro conduzir, no outro dia vim de Lisboa às 7 da manhã, com o nascer do sol e foi algo sublime. Também gosto de conduzir à noite, com muito nevoeiro.

2. Tenho uma gata, a Nemesis, e nutro uma paixão muito grande por todos os felinos.

3. Não há um único dia em que não tenha que me assoar, sou um ranhoso crónico.

4. Quando estou em casa, passo 90% do tempo no quarto a ver séries (delas destacam-se: Scrubs, Prison Break, Stargate, Lost, One Tree Hill, Heroes, entre outras) ou a navegar na internet (felizmente tenho estado pouco).

5. Tenho planos para jogar futsal na próxima época, era algo que gostava e podia ter começado já nesta que passou, não fosse terem-me informado mal das datas dos treinos de captação.

6. Não sorrio com muita frequência, mas não quer dizer que não esteja feliz.

sexta-feira, fevereiro 09, 2007

Night at the Museum




Fui ver este filme...

Uma comédia leve, com algumas frases memoráveis...

"Some are born great, others have greatness thrust upon them."

Valeu a pena...

Se bem que com companhias boas...

...vale sempre a pena ;-)!

quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Heróis...


Vi hoje uma história real do amor entre um pai e filho...

Um amor tão forte que quebrou a barreiras da deficiência e é verdadeiramente inspirador...

A barreira entre o possível e o impossível para nós, somos nós mesmo apenas...

Neste vídeo percebe-se isso mesmo...

...ainda dizem que não existem heróis no mundo real...


Mais informações sobre estas duas pessoas extraordinárias aqui.

quarta-feira, fevereiro 07, 2007

Esperança



Há dias ouvia uma conversa sobre tarologia, astrologia.. confesso que estou extremamente céptico a qualquer tipo de "adivinhação" ou previsão do futuro... a brincar até digo que "nem de estatística gosto".

Mas da conversa comecei a pensar sobre a necessidade das pessoas de saberem o que vai acontecer no futuro, e não falo de saber o número do Euromilhões, mas sim de coisas como o que vai acontecer na vida a nível pessoal, de saúde, de profissão, etc...

Confesso que, talvez devido ao meu cepticismo, nunca senti esta necessidade... também muito porque acredito que a cada segundo temos oportunidade de mudar o rumo da nossa vida, e que não há nada "escrito" nem nada que possa "prever" o amanhã...

Entramos num paradoxo, se acreditarmos em previsões, a nossa vida já esta definida quando nascemos, ou até antes, e pensando assim, até que ponto temos liberdade de mudar o rumo dela, em cada momento?

Se acreditarmos que a nossa vida já está "escrita" então estamos a dizer que todas as opções que tomamos já estão definidas e acho que isso é mesmo limitador, não consigo acreditar que pelo dia, hora, mês, cartas, ou por qualquer outra coisa, eu não tenha total liberdade sobre as opções que tomo... porque sou gémeos, ou dragão, ou qualquer outra coisa... até porque não vejo porque eu que nasci em Maio num determinado dia, a uma determinada hora, tenha a mesma "sorte" que todos os que nasceram exactamente no mesmo momento...

Mais ainda, não vejo qualquer ligação entre o que alegadamente usam para prever e eu mesmo para além de acontecimentos que pouco ou nada marcam a minha vida, como nascer em Maio ou em Setembro... e a minha personalidade e consequentes decisões...

Esta conclusão levou-me a pensar, que se isto, pelo menos para mim, era tão óbvio, o que fazia muita gente acreditar e ser mesmo convicta da sua certeza...

Levou-me a uma conclusão, esperança!


Toda a gente precisa de esperança, esperança que vai ficar melhor de saúde, ou melhor a nível amoroso, em termos profissionais ou em termos financeiros...

Gostamos de saber que somos fora de série, e que vamos em breve descobrir algo fantástico, ou que somos uma pessoa sensível, ou mesmo inteligente..

É fácil aceitarmos o que alguém diz quando nos elogia...

Mas continuo a ter muitas dificuldades em aceitar a veracidade deste tipo de coisas... e acredito até que quem as pratica acredita mesmo, nem ponho isso em questão... nem que sejam loucos por o acharem... mas também nunca vi nada que me fizesse acreditar...

Não critico, nem acho que tenho direito de criticar, quem gosta e acredita das "ciências ocultas"...



Pessoalmente prefiro procurar dentro de mim pela esperança que preciso, e pela força para mudar, o que é necessário, para essa esperança aumentar...

... e claro, os amigos e familia nunca falham quando preciso de ajuda :-)

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Director


Aceitei outro grande desafio...

Ser director de um campo de férias no verão...

Este é outro projecto que me faz sonhar imenso e com o qual estou completamente tranquilo pelas pessoas ao meu lado.

Trotinetaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas...!

...faltam 7 meses para "o campo" :-P

quinta-feira, fevereiro 01, 2007

Ainda Agostinho...


Estou a algum tempo a "acabar", (o tempo infelizmente é escasso) de ler um livro que contém o registo de algumas conversas com Agostinho da Silva...

Há uma coisa que desde que li relembro imensas vezes, Agostinho mencionava bastantes vezes que a sociedade tinha um vício de citar, citar uma frase de alguém famoso ou considerado importante, deixando de usar os seus próprios argumentos, deixando até in extremis de pensar por si...

Mencionava também muitas vezes que associado a isto vinha as menções a latim, "de onde vem a palavra", argumentando que aqueles que o falavam era mais ignorantes que o cidadão actual, daí as bases supostamente intelectuais, são algo falaciosas.


Engraçado como cito o que ele disse, argumentando contra citações...

...contrastes interessantes...