segunda-feira, abril 30, 2007

Anúncios

A maior parte dos anúncios actuais até tenta criar alguma coisa inovadora, ou interessante... mas normalmente cai na monotonia ou abusa de clichés já usados e abusados...

O Jumbo desta vez criou uma música que fica no ouvido, simples, engraçada e criativa, é de louvar.

domingo, abril 29, 2007

Fitas


Tenho andado a assinar fitas...

Para quem não sabe, em Coimbra, a praxe dita que no último ano do curso os estudantes tenham as fitas que estão presas à sua pasta assinadas pelos amigos, colegas, professores, etc... (estas foram presas no penúltimo ano do curso, na Queima das Fitas, quem tem esse nome devido à cerimónia onde se queimam umas fitas, e se põem as outras, que mais tarde são assinadas).

Tradições à parte, a verdade é que ao principio foi estranho ir assinando, dar as fitas a assinar implica que o curso está à beira do fim, é a última grande viragem da vida para o mundo adulto... senti que estava realmente a ficar "cota", afinal já tinha amigos a acabarem o curso.

Depois desta sensação bastante estranha comecei a ter uma mais agradável, conforme antigos e actuais amigos me iam dando fitas a assinar ia relembrando antigas histórias, conversas, situações...

Lembrei-me do Pedro de outros tempos, que era o palhaço reinante, ao qual as pessoas normalmente recorriam quando estavam mais tristes para as animar... para as fazer rir, com as piadas mais surreais... o Pedro que foi abafado pelo Pedro líder que surgiu por vontade própria, talvez por necessidade.

Crescimento? Não sei, parece-me opção.

Confesso que o Pedro mais palhaço ria mais, fazia rir mais e via que as coisas que fazia atraiam as pessoas por as animar.

O actual, é mais sério, mais pensativo, mais intelectual, faz rir pouco, tenta tocar transmitindo sempre valores.


Será possível ter ambas as coisas?

Ainda não sei... mas era bom se desse

sábado, abril 28, 2007

Diferenças


Há dias ouvia num programa perguntarem a crianças e adolescentes se gostavam ou não de ter colegas de escola do sexo oposto.

Foi bastante estranho ouvir que neste momento existe uma ascendente de escolas a ficarem apenas para um dos sexos, como era há bastante tempo atrás... como a minha professora de história à alguns anos atrás dizia, a história é cíclica, e isto relembrou-me isso.

Isto foi a base fulcral da reportagem... como deve ser estranho ter durante muitos anos ter-se apenas contacto apenas com pessoas do nosso sexo, criando mais tarde falhas de comunicação por se criarem dois mundo diferentes...

Mas o que me chamou mais a atenção foi uma pergunta mais simples, "porque é que os rapazes não gostam de brincar com as raparigas?"

A resposta foi igualmente mais simples "os rapazes querem ganhar, por isso preferem escolher rapazes".

Pôs-me a pensar porque é que, de facto, normalmente prefiro praticar desporto com rapazes... normalmente o espírito é diferente, embora possa parecer meio "uga buga" é dar o máximo, correr até não dar mais, num jogo de futebol rematar sem ter medo que a bola magoe, no ténis jogar com toda a força quando é necessário... quando entram raparigas começa a haver um espírito, (incutido normalmente por todas as partes), de menos agressividade, no sentido de se ter cuidado em tudo porque a fragilidade normalmente é maior e a agressividade no desporto não é bem vista por elas.

É bom, porque é mais difícil alguém se magoar, mas tira o espírito competitivo de dar o máximo e normalmente sem isso o jogo começa a perder a garra.

Ao ler isto parece que o somos mais primitivos e agressivos que elas... mas de facto agressivos somos, e é raro o rapaz que veja, que goste de jogar e dê o sem máximo sem sentir competitividade à seria.

Conforme vamos crescendo acabamos por ir praticando mais desporto social, com os dois sexos, tirando normalmente a agressividade, porque é mais no sentido de convívio social do que de praticar o desporto em si.

Algumas vezes existem surpresas e aparecem raparigas com o mesmo sentido de agressividade, ai o jogo volta ao seu espírito inicial.


Será da educação que as coisas são assim ?...

... talvez a testosterona também influencie...


Ps: Este post foi mais uma constatação do que uma reflexão.

sexta-feira, abril 27, 2007

Ausência


Tenho falhado com o que tentei fazer: escrever algo todos os dias, algo com conteúdo o achasse suficientemente interessante para alguém gostar de ler e/ou que tivesse a ver comigo.

Tempo reduzido para pensar...

...mas estou a tentar retomar o desafio!

segunda-feira, abril 09, 2007

Mr. Bean


Hoje fui ver este filme.

Há imensas pessoas que acham o Mr. Bean ridículo ou irritante... confesso que gosto da personagem.

Parece-me uma criança grande, que faz humor quase sem falar, o que é extremamente difícil, e sem falar mal, usar asneiras, sexualidade ou afins, o que ainda é mais...

Confesso que ultimamente o meu estilo de humor é bastante neste sentido...

...espero não irritar ninguém...

quarta-feira, abril 04, 2007

Fórmula de Deus - II



Uma das outras teorias da física que me fascinou foi a teoria que desde o Big Bang está tudo previsto.

Sabendo um pouco de física e com algum raciocínio é fácil de seguir este pensamento:

- O comportamento de um átomo é indeterminável pela sua complexidade caótica, mas é no entanto determinístico; ou seja, um electrão não vai para a esquerda ou direita porque lhe apetece, mas sim porque as leis da física o compelem.

- Todos os humanos são feitos de átomos, organizados de uma forma extremamente complexa, pelas leis da física, logo o nosso comportamento é também determinista. No entanto, tal como o átomo, também o nosso comportamento é indeterminável pois resulta de uma complexidade caótica.

Um bocado como a meteorologia, está determinada mas é indeterminável devido à complexidade dos factores... ou seja, o número de variáveis que a influência é tão grande que se torna na prática incalculável, basta um bater de asas de uma borboleta para modificar um pouco o vento, e dai alterar todo o fluxo de vento, modificando o ambiente... se expandirmos ao mundo... aviões, nós a respirar, carros, animais... é fácil perceber porque se enganam tantas vezes os "senhores do tempo".

Para tentar clarificar mais a teoria por detrás disto:
Teoria do Caos: todas as acções tem consequências que são as próxima acções - ou seja o bater de asas de uma borboleta, pode despoletar no outro lado do globo uma tempestade daqui a algum tempo... pequenas acções desencadeiam grandes consequências. Isto foi provado por Lorenz em 1955 numa experiência sobre meteorologia.


Por vezes diz-se que um evento na infância influenciou a pessoa quando já é adulta... lembra-vos alguma coisa? Talvez "efeito borboleta" mas a nível humano.

Estas teorias, embora a partida não tenha noção disso, implicam que tudo o que vai acontecer já está determinado... todas as nossas decisões, opções, acidentes, etc, etc, etc... isto porque tudo isto é influenciado por factores, os quais normalmente nem sequer temos noções que influenciaram.

Isto dá a ideia de que somos apenas fantoches no teatro da vida, no entanto, dado que o futuro é indeterminável devido ao número incalculável de variáveis a ter em conta, nenhum de nós sabe o que vai acontecer. A livre vontade é então um conceito do presente.

Quando vamos a sair de casa e começa a chover, optamos por levar chapéu-de-chuva, essa opção foi condicionada pela chuva, que já estava determinada, no entanto a opção foi livre.

Isto faz concluir que se tivéssemos uma máquina que conseguisse captar as incontáveis variáveis que influenciam certo momento, a partir dai conseguiríamos prever o futuro, e o passado.


Seguindo um segundo raciocínio com a "bagagem" que agora já temos:

Dado que o espaço e o tempo são dois reversos da mesma moeda, (Teoria da Relatividade de Einstein), o tempo decorre de maneira diferente em sítios diferentes do universo, condicionado pela velocidade da matéria e força da gravidade. Os acontecimentos A e B ocorrem em simultâneo num ponto do universo e decorrem desfasadamente noutros lugares, num ponto primeiro o A e depois o B, num outro ponto, primeiro o B depois o A. Isto quer dizer que num ponto do universo, o B ainda não ocorreu mas vai ocorrer. Aconteça o que acontecer, porque está determinado.

Isto quer dizer que o passado e o futuro coexistem. Da mesma maneira que não podemos alterar o passado, não podemos alterar o futuro uma vez que são a mesma coisa em tempos diferentes... isto foi confirmado pela Teoria da Relatividade.

Tudo está determinado desde o Big Bang...

... e esta hein?

terça-feira, abril 03, 2007

Kant



Immanuel Kant ou Emanuel Kant (Königsberg, 22 de Abril de 1724 — Königsberg, 12 de Fevereiro de 1804) foi um filósofo prussiano, geralmente considerado como o último grande filósofo dos princípios da era moderna, um representante do Iluminismo, indiscutivelmente um dos seus pensadores mais influentes.

Kant apresenta no seu livro Crítica da Razão Pura, o que considera os três grandes problemas da Metafísica: Deus, a liberdade e a imortalidade, pois não são solucionáveis por meio do pensamento especulativo.

De acordo com Kant, a existência de Deus e os conceitos de liberdade e imortalidade não podem ser afirmados ou negados no campo teórico, nem podem ser cientificamente demonstrados. Porém, Kant expressou a necessidade da crença em Deus e nos conceitos de liberdade e imortalidade em sua filosofia moral. De acordo com Kant, a existência da moralidade depende exclusivamente da existência de Deus, da liberdade e imortalidade.

Retirado da Wikipédia

Hoje pensei sobre isto...
...conclusões, ainda não tenho.

segunda-feira, abril 02, 2007

Fórmula de Deus


Acabei hoje de ler este livro...

A primeira coisa que me impressionou foi ao abrir o livro ter logo o aviso que as teorias ali expostas eram defendidas por físicos e matemáticos, ou seja, que o romance ia para além de um romance, incutindo cultura real... foi como diria um amigo meu "um espevita" para eu ler.

Inúmeras coisas me ficaram do livro, foi dos poucos que me deu vontade de reler, logo ao inicio uma contrariedade na omnipotência... "Se Deus é omnipotente, então poderá criar uma pedra que ele não consegue levantar... mas se ele não a consegue levantar, então não é omnipotente."

Lógica "à força bruta", provavelmente fascina-me, ainda mais do que ao comum leitor, por a utilizar diariamente.


Citando ainda uma parte que também me despertou um sorriso:

- "Achas que os computadores não podem ter emoções, não é?"

- "É. Nem emoções nem consciência."

- "Pois estás muito enganado. Sabes, as emoções e a consciência resultam de se atingir um determinado grau de inteligência. Ora o que é a inteligência?"

- "A inteligência é a capacidade de fazer raciocínios complexos, acho eu."

- " Exacto. Ou seja, a inteligência é uma forma de elevada complexidade. E não é preciso atingir-se o grau da inteligência humana para se criar a consciência. Por exemplo, os cães são muito menos inteligentes do que os homens, mas, se perguntares ao dono de um cão se o seu cão tem emoções e consciência das coisas, ele dir-te-á, sem hesitar, que sim. O cão tem emoções e consciência. Logo, as emoções e a consciência são mecanismos que emergem a partir de um determinado grau de complexidade de inteligência."

- "Portanto, o pai acha que os computadores, se atingirem esse grau de complexidade, tornar-se-ão emotivos e conscientes?"

- "Sem dúvida."

- "Custa-me a acreditar nisso."

- "Custa-te a ti e custa à maior parte das pessoas que não está dentro do problema. A ideia de máquinas possuírem consciência parece chocante ao comum dos mortais. E, no entanto, a maior parte dos cientistas que lida com este problema acredita ser possível tornar consciente uma mente simulada."

- "Mas o pai acha que é mesmo possível tornar um computador inteligente? Acha que é possível que ele pense por si só?"

- "Claro que é. Aliás os computadores já são inteligentes. São mais inteligentes que uma minhoca por exemplo. Não são é tão inteligentes como os seres humano, mas são mais inteligentes do que uma minhoca. Ora, o que separa a inteligência do ser humano da inteligência da minhoca? A complexidade. O nosso cérebro é muito mais complexo do que o da minhoca. Obedece aos mesmos princípios, ambos têm sinapses e ligações, só que o cérebro humano é incomensuravelmente mais complexo do que o da minhoca. Tu sabes o que é um cérebro? Um cérebro é uma massa orgânica que funciona exactamente como um circuito eléctrico. Em vez de ter fios, tem neurónios, em vez de ter chips, tem miolos, mas é precisamente a mesma coisa. O seu funcionamento é determinista..."
[citação da página 95 e 96 do livro Fórmula de Deus]


Talvez em outros posts levante mais uma pontinha do véu... por agora estou a saborear, ainda, eu próprio, o que li.

Livros com conteúdo...

...já sentia saudades!