sexta-feira, agosto 31, 2007

OPA '07... Para fora, aqui e agora!



terça-feira, agosto 28, 2007

Envy



Hoje vi este filme...

Apetecia-me ver uma comédia, e foi uma coincidência engraçada porque andava exactamente a reflectir sobre a inveja.

É um filme sobre dois grandes amigos... um deles esforça-se por trabalhar por enriquecer... e o outro com uma ideia que parece aparvalhada enriquece subitamente... dai nasce um enredo de inveja e situações inusitadas... deixou-me a pensar.


Uma vez disseram-me que não tenho tiques de filho único... a verdade é que acho que as vezes tenho, ou talvez nem tenha a ver com isso, não sei bem, a verdade é que já por vezes senti surtos de alguma inveja, que me faziam ter reações realmente estúpidas.

Lembrei-me de um jogo que fiz este ano no campo de férias... em que as pessoas são divididas por classes sociais, ricos, médios e pobres e vivem o dia segundo isso, trabalhando ou não, comendo bife, ou apenas um pão... lembrei-me da revolta que via nos olhos dos pobres...

Em relação a bens materiais acho que nunca tive muito isso, não acho que por ter mais ou menos coisas vá ser mais ou menos feliz... sempre tive essa noção... mas estupidamente não conseguia fazer o meu inconsciência perceber o mesmo em relação a poder conhecer países, outras cidades, viajar... sentia que queria conhecer mais, queria viver mais... e depois ficava extremamente furioso com a minha irritabilidade...

Ultrapassei isso, finalmente... senti-me bem.

Fiquei a pensar porque ultrapassei, ou porque era assim... voltei ao jogo dos ricos e pobres... e lembrei-me que esse jogo é um capítulo inserido num grande livro de igualdade onde todos são iguais e fazem as mesmas coisas...

Talvez reviver o próprio jogo me tenha ajudado a viver bem com o que tenho, sonhar, mas sem aquela força negra que me fazia irritar... queria ser ditador do bem, ver todas as coisas iguais, quando na realidade somos todos tão diferentes...

Curiosamente custou-me a partilhar isto, por expor uma parte muito negativa, que normalmente não transpareço...

Isto sim é crescer..

...pelo menos, espero que sim!

sexta-feira, agosto 24, 2007

Responsabilidade




"Responsabilidade é a obrigação a responder pelas próprias ações, e pressupõe que as mesmas se apoiam em razões ou motivos. O termo aparece em discussões sobre determinismo e livre-arbítrio, pois muitos defendem que se não há livre-arbítrio não pode haver responsabilidade individual, e consequentemente, também não pode haver nem ética nem punição."

Wikipédia


Hoje tive um sonho.. em que cometia um erro, algo que se assumia como grave, por falta de bom senso... Não assumi a responsabilidade...

Deviei a culpa de mim, sem sequer ponderar...


Acordei sobressaltado... revoltado com a minha atitude...

Será que tomaria mesmo essa opção...ou foi apenas um sonho?

De qualquer maneira, o sentimento de culpa por o ter feito, mesmo em sonho acompanhou-me durante o dia... uma falta de bem estar, por saber que aquela atitude vai contra o que acho que deve ser feito.

Levou-me a ponderar se realmente sou tão crescido como acho...

Levou-me a lembrar do que ouvi um psicologo dizer, sobre a normalidade uma criança desviar as culpas de si.

Balançou-me por ter sido uma atitude num sonho meu, porque levou-me a pensar até que ponto seguiria ou não o sonho...


Pelo mal estar creio que foi apenas um sonho...
...mas relativamente perturbador...

sexta-feira, agosto 17, 2007

Regresso...


Tinha estado no mundo de alguém... alguém que me tinha marcado em tão pouco tempo...

Não resisti, no dia seguinte fui à procura do Irmão Pereira, ia com uma tela debaixo do braço, prenda por tanto que me tinha dado no dia anterior...

Fui à procura dele, percebi que ele tinha-me mostrado tanto dele, mas que afinal ainda sabia tão pouco, nem sabia como o devia procurar... comecei por ter um imprevisto...

"Irmão Pereira? Qual deles, há 2..."

Mas lá o achei... alias, achou-me ele...

Pedi-lhe um minuto do seu tempo, e dei-lhe a tela... pedi-lhe para aceitar como prenda do que me tinha oferecido ontem... após alguma surpresa da sua parte, aceitou, já com o sorriso de volta...

Levou-me de novo ao seu canto.. mostrou-me a sua nova engenhoca em que estava a trabalhar... um ferro que queria arranjar...

Contou-me mais histórias... não me cansava de o ouvir... ofereceu-me 2 peças... queria-me oferecer tanta coisa mais... mas não podia aceitar, já me tinha oferecido demais.

Explicou-me que apenas pinta quando consegue responder a duas perguntas: "Para que e para quem?"... senão não faz sentido...

Contou-me a sua filosofia de vida e de fé... nunca me irei esquecer duma frase dele...

"Somos filhos de Deus e não escravos... o inferno é invenção nossa... um pai não manda um filho para o inferno..."

Contou-me como gostava de picar as pessoas, e po-las a rir deixando-as desarmadas e a pensar nas coisas... como uma vez em que estava um senhor a dizer que não acreditava em Deus:
-"Sou ateu... não acredito em Deus"
"Eu também sou ateu"
"Apenas acredito num criador que originou o universo"
- "Isso eu também acredito.."
"Afinal também acredita em Deus!"

Em como o entristecia ver a Igreja a receber fortunas como em Fátima quando devia existir apenas para dar...

Como Adão e Eva são falsos... como as vezes ele teve que desaprender coisas...


Fiquei a admirar em pouco tempo um homem que só conversei por poucas horas...

...não consigo adjectivar...

quinta-feira, agosto 16, 2007

Um sorriso....


Há algum tempo dei um testemunho sobre discriminar...

Pus muita gente a pensar como no dia-à-dia discriminam as pessoas com quem estão, em pequenos gestos que mostram tanto...

Muito poucos dias depois senti um abano do tamanho do mundo...

Estava a entregar com a Maria, uma carrinha ao Colégio onde estudei e donde é proveniente... quando surge um senhor de idade, chamava-se Pereira, irmão Pereira, (é jesuíta, ou seja da Companhia de Jesus)... disse-nos que tinha 82 anos, e perguntou-nos sobre o que fazíamos ali... falei-lhe do campo de férias que tinha acabado de fazer... pareceu baralhado... expliquei-lhe que tinha haver com viver com pouco para dar valor ao muito que temos... riu-se e disse "afinal ainda aprendo coisas já velho"...

Já o tinha visto algumas vezes, nunca tinha falado com ele, e confesso que a vontade naquele momento não era muita, tinha uma carrinha para descarregar, e tinha planos para o resto da tarde...

Não quis ser mal educado... ouvi as histórias dele, de quando era mais novo e geria uma empresa de ovos... como evitava ser enganado, e pouco a pouco fui ouvindo a sua filosofia de vida... deixei-me rir, era fascinante a vitalidade daquele senhor de idade...

No entanto para mim era mais um senhor que tinha pouca gente com quem falar e ali tinha achado uma oportunidade... e estava ali a ser seu bem-feitor... quanto me enganava...

Depois de bastantes risadas com as suas histórias e após ele perceber que tinha alguma pressa, ele pediu-nos 3 minutos para nos mostrar uma coisa... anuimos...

Levou-nos para uma oficina escondida nas traseiras da garagem, cercada por um jardim cheio de flores que nunca tinha visto... sorrindo disse "ora 3, 2, 1.. aqui vamos!" e abriu a porta...

Senti-me atingido por um carro a toda a velocidade... a revestir as paredes estavam quadros pintados por ele.. pelo mesmo senhor a quem não tinha dado quase importância quando começamos a conversa....

O sentimento aumentava cada vez mais, quando ele ia mostrando as esculturas enormes que tinha feito, e os aparelhos que tinha ido resgatar ao lixo e tinha restaurado... ri-me quase em lágrimas quando ele pegou num orgão que tinha arranjado, pondo-o a tocar e começando a dançar sozinho....

Ofereceu-nos um peixe a cada um, com a marca IP marcando a sua autoria... bem como um fruto que nunca tinha visto, e uma das plantas que tinha no seu jardim...

Deixou-me completamente deslumbrado, alheio as horas e ao resto do mundo... a sorrir... ele tinha-me mostrado um mundo fascinante... o seu mundo... sem receber nada em troca... e estava ali completamente eufórico apenas por o termos visto...

Despediu-se de nós a rir.... sai dali com lágrimas nos olhos...

Obrigado por ter partilhado o seu mundo!

quarta-feira, agosto 15, 2007

OPA'07... Para fora, aqui e agora!


Acabou a odisseia...

Há 10 dias chegamos... Atlântida.... e viajamos até ao fundo de nós mesmos, para podermos encontrar o nosso verdadeiro ser, e conhecermo-nos....

Emergimos a Atlântida e abrimo-nos aos outros, e arrancamos numa jornada, dura como nunca tínhamos sentido outra, caminhamos para fora, para o mundo, para aprender...

A frente eu, Atlas, mostrava-lhes o caminho, mas eles, aprendizes de Sábio sabiam que mais do que caminhos, iriam encontrar valores, pessoas e sentimentos... encontrar Deus no caminho que trilhavam...

Subimos o que parecia impossível, chegamos, sorrimos... tínhamos alcançado a primeira das nossas metas... já conhecíamos as caras ao nosso lado, eram aqueles que nos tinham ajudado no caminho, e com quem tínhamos conversado e brincado...

Descansamos... e acordamos para um novo dia, com caminho à nossa frente, CAMINHADA, a andar, a andar!

Avançamos já não temíamos nada...

Chegamos, e ali recebemos a honra de sermos Atlantes de verdade, Sábios da nossa Atlântida, em representação disso, tivemos os pés lavados, e recebemos o cristal...

A nossa viagem mal tinha começado...

Cada dia surgia com um novo sítio e os seus valores mais profundos associados...

Tibete, a simplicidade...
Brasil, os talentos e alegria...
África, serviços e ajuda...
Itália, fé e festa...

Finalmente a jornada tinha chegado ao fim... o talento de cada um deles era tão grande, que rete-los aqui na Atlântida era puro egoísmo, dei-lhes as ultimas provas de que tinham ultrapassado todos os obstáculos que tinham surgido e que eram sem dúvida Sábios da Atlântida...

Eu, Atlas, despedi-me deles... enquanto a Atlântida imergia, via-os mais longe, mas sentia um sentimento tão profundo... eles estarão sempre comigo... com o seu orgulhoso rei.

sábado, agosto 11, 2007

18...

Um dia especial...




...vivido num campo brutal!
Cada vez dou mais valor à palavra de uma pessoa.
Nem sempre fui assim, anteriormente quando falhavam comigo eu deixava isso para trás das costas em nome da amizade. Mas a amizade que eu conhecia há uns tempos não é a mesma definição de amizade que aplico hoje em dia.

Cada vez vejo mais as pessoas a serem egoístas, a só pensarem em si, e bom, embora estejam no seu direito, deveriam ter noção de honrar compromissos aos quais se prepuseram.

Ontem aconteceram duas coisas que me deixaram chateado; não é nada que me afecte ou tenha consequências no futuro, mas mesmo assim poderiam ter sido evitadas.
A primeira aconteceu quando um antigo colega de trabalho, um rapazinho da minha idade, foi deixar a mota dele ao meu local de trabalho (Oeiras) e um colega meu levou-o até ao seu local de trabalho (Sintra); No final da tarde, coisa de 6:15 telefona-me a perguntar pelo meu colega e eu disse que tinha saído e não o podia ir buscar.

Ora, a minha maneira de ser às vezes fode-me: Quis ser prestável e propus-me a ir buscá-lo, visto ele não ter maneira de regressar a casa, para passar pelo meu local de trabalho onde estava a mota. Saí eram 18:30 e eram 18:33 quando este me telefonou a saber onde eu estava. Disse-lhe que demorava cerca de 20' a chegar. "Em 15' telefono-te", disse-me ele. E eu segui o meu caminho. Cheguei eram por volta das 18:55 e após ter feito quase 30 km. Entrei no complexo empresarial e andei para trás e para a frente à procura desse meu colega, que tinha o telemóvel desligado. Em traços gerais, perdi 1h e 30 minutos da minha vida, visto que no tempo que demorei a chegar e andei lá dentro, já o menino tinha apanhado boleia de outra pessoa e ido embora, sem ter a dignidade de me dizer nada.

A outra situação, aconteceu logo de seguida, num jogo de futebol. O jogo estava marcado para as 20:15. Cheguei com uma pontualidade brutal, depois de ter vindo de Sintra (em direcção a Cascais, ainda passando por casa para buscar o meu equipamento), às 20:13. Entrei e não vi ninguém. Achei muito estranho e fui perguntar às meninas se havia algum jogo marcado, porque não seria normal eu chegar mesmo em cima da hora do jogo e não estar lá nenhuma alma ainda.

Passados de 2 a 5 minutos chegam mais 3 elementos da minha equipa... até aí tudo bem. É um tempo aceitável, podia haver trânsito, algum acidente, uma velhinha que caiu na passadeira, qualquer coisa, e aí não tenho que me queixar. No entanto os elementos da equipa adversária chegaram passados 40 minutos da hora de início. (20:55). Sorte a nossa que haviam outros rapazes no campo ao lado, que também eram 4 e pudémos aquecer um pouco. Caso contrário seria um tédio brutal. Entretanto a nossa sorte foi que não houve equipa marcada para as 21:15 e jogámos mais tempo, pois se não tinham ido € 4.50 para o "caralho" mesmo.

Por fim dou os meus parabéns ao Pedro e a outro amigo meu, o Nuno, que têm razões para celebrar neste dia. Pedro - 18 meses e Nuno - 4 anos . Muitas felicidades a ambos e suas respectivas!

sexta-feira, agosto 03, 2007

quarta-feira, agosto 01, 2007

Mitos


Há algum tempo reparei em dois mitos, um bastante famoso e outro que se está a tornar...

O famoso, é a famosa crença que a muralha da china é a única coisa feita pelo homem que se vê do espaço, e/ou da lua...

Ora bem... do espaço até se vê, duma órbita de 200 e picos quilómetros, mas logicamente para quem já viu a estrutura da muralha imagina logo que será algo, que para ser visto de cima precisamos de andar à procura e saber onde procurar... quanto a ver-se da lua, isso então é falso.

Curiosamente a pesquisar descobri que se vê muito mais coisas de órbita do que se poderia imaginar... as pirâmides do Egipto (que imaginava que podiam, por estarem no meio do nada aumentando o contraste), barcos no mar alto, autoestradas... até aviões. [Para saber mais]


Mudado drasticamente de mito, o segundo está relacionado com o Google... e com a actual crença que caso o Google mudasse o seu fundo para preto o consumo de energia no mundo baixaria bastante...

O mito começou por aqui na página do Sr. Mark Ontkush... a ideia é interessante mas conforme se lê nos comentários ao post:

"Only CRT displays use more energy to display brighter things. For everything else, it is completely false that a black display uses less energy than a white page. The backlight on an LCD is on for the entire LCD regardless of what is being shown. The black pixels are only black because the LCD blocks out light. Same with projectors, etc. You're article is thoughtful, but invalid."


Embora não goste de mitos, este até é produtivo, porque qualquer energia poupada, já é positivo!


Estarei a tornar-me um "MythBuster?"...

...ou terei tempo a livre a mais?