sábado, dezembro 26, 2009

sexta-feira, dezembro 25, 2009

É tudo complicado?


Há aquela máxima que os filhos imitam o que vêem os pais a fazer, para o bem e para o mal.

Acho que não são só os filhos. Todos imitamos gestos, acções, palavras, comportamentos...

Uma das coisas que ultimamente tenho pensado sobre isto é se no caso da televisão, em filmes, telenovelas etc, imitamos ou somos imitados...

Irrita-me tremendamente ver novelas porque há momentos, logo no inicio da historia, em que bastava mais um gesto, mais sinceridade, ou qualquer outra coisa do género e não havia historia...

A grande questão é... aqueles momentos de suspense em que por exemplo, boy meets girl: boy likes girl, girl likes boy, boy doesn't say, girl doesn't say... they both go separe ways... são imitação da realidade? Ou são postos no enredo para o aumentar... ?

Como alguém diria provavelmente, como sou homem, acho as coisas simples, então opto pela segunda, são apenas uma maneira de aumentar o enredo.. até porque um filme de 3 horas não pode acabar depois de 10 minutos....

No entanto estas situações são consideradas clichés, normais até talvez... passam-se também na realidade...

Não sendo de todo um dos malucos da conspiração que acha que a televisão degrada a sociedade, (só a faz procriar menos... e não é piada, basta ver quando há furacões nos E.U.A. a natalidade a aumentar 9 meses depois devido à falta de electricidade.. google it)... acho que nos complica.

Não é normal boy meets girl, boy and girl like each other, the end. Penso é que pode faltar à frase anterior o "já".. "já não é normal".

Para além de me irritar, sinto como uma falta de criatividade crónica... de quem escreve, inovem, porque não ter boy meets girl e depois ficarem mesmo juntos logo... aposto que ia ficar muita gente de boca a aberta.. as tantas diziam "pois, isto só acontece nos filmes"...

Se num conto de fadas num filme épico é tão complicado como será na vida real...

Gostava de ver o que acontecia se o simples se tornasse o cliché... pelo menos uma coisa é certa, a qualidade dos guiões melhorava, pelo menos tinha inovação!


Acho que nos habituamos tanto aos clichés complicados que os trouxemos para a vida real, sem percebermos.

Mas claro, isto também pode ser a visão simplista de acções humanas...

...que por definição são complicadas, pelo menos para alguns...

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Pós Cristianismo


Ouvia há dias uma entrevista do José Rodrigues dos Santos na Antena 3, em que falava sobre o seu novo livro e alguns factos curiosos.

Segundo a sua opinião, a Europa vive numa fase pós-cristã, isto é, a maioria das pessoas já não é cristã no entanto os valores cristãos estão profundamente demarcados na cultura de tal modo que ultrapassaram a própria religião.

No seguimento da entrevista falou também de como existem poucas religiões que professam o pacifismo como base, nomeadamente o Cristianismo, (dar a outra face), e o Budismo.. todas as outras tem que não ser interpretadas à letra para o permitirem.

Se a primeira me pareceu ter alguma coerência a segunda já me parecia radical, no entanto, logo de seguida referiu um facto que desconhecia, dos países muçulmanos apenas a Turquia assinou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, sendo que os restantes recusaram afirmando que esta declaração é baseada na tradição judaico-cristã e não poderia ser admitida. Alguns motivos são a igualdade das mulheres e homens ou a possibilidade de cada um escolher a sua religião... que também não é aceite por todos.

Os países muçulmanos decidiram adoptar a Declaração dos Direitos Humanos do Cairo que afirma que "as pessoas tem direito à liberdade e a uma vida digna segundo a Shari'a Islâmica".


É interessante de perceber que mesmo quem se diz ateu está profundamente influênciado pelo contexto social religioso onde se encontra...

...mesmo achando que não...

quinta-feira, dezembro 03, 2009

Igualdade


Penso bastante na justiça e igualdade.

No modelo actual social e económico que temos é praticamente impossível podermos dizer que há igualdade entre pessoas.

Logo à partida quando se nasce não se é igual.

Ou se nasce num local público ou privado, ou se tem roupa cara, ou não se tem nada para comer... as diferenças sociais e económicas dos progenitores tem uma influência à partida que é marcante.

Verdade seja dita, se alguém trabalha uma vida inteira não é também justo que possam dar aos seus descendentes uma vida melhor?

Acho que embora seja um principio que me parece lógico... se trabalhei uma vida inteira os meus descendentes poderem ter melhores condições, é o principal que vem a destruir logo de inicio as bases da igualdade... e que tal um mundo que dependesse muito mais de nós mesmos logo à partida?


Parece uma ideia comunista. No entanto, a ideia comunista, "tudo é de todos", não funciona muito bem... numa sociedade há todo o tipo de objectivos. Se existe quem é obcecado pelo sucesso profissional e decida a sua vida inteiramente a isso, existe também quem prefere trabalhar metade do tempo e viajar o resto...

Será válido classificarmos estas pessoas a um nível profissional/remunerativo igual? Parece-me duvidoso.

A segunda coisa prende-se com o "todos" e com o facto de geralmente um individuo sozinho ser esperto, mas um grupo desses mesmos indivíduos tender a ser mais burra no colectivo. Assim as decisões de massas para além de logicamente complexas possivelmente não serão as mais correctas.

Já pensei várias vezes num sistema ideal em que qual decisão a tomar apareceria num ecrã no nosso telemóvel ou computador, e diríamos sim ou não e a decisão seria tomada... mas verdade seja dita, quantos de nós após 10, 100, 1000 decisões começaríamos a puramente nem pensar no que votávamos.

A democracia actual nisso é bastante inteligente, ao usar a massa para escolher lideres que tomam decisões. A possibilidade de tomar decisões pouco reflectidas do grupo, por exaustão, esta limitada.

Mas mesmo ultrapassando isso, caso pensássemos na decisão, será que seriamos sempre qualificados para a tomar? Imaginemos que a decisão de ligar o acelerador de partículas que tanto se fala estava nas mãos do povo português. Seriamos qualificados para percebermos o que se fala ali?

Será isto falta de igualdade, ou capacidade de aceitarmos qualificações diferentes?


Pensando que é a segunda, concentrei-me então no que seria mesmo criar uma sociedade mais justa, neste sentido.

Parece-me lógico que a grande diferença a nível nacional e ate mundial provém da educação. Ela é a base de tudo. No entanto, logo à partida quem nasce numa familia pobre tem muito menos probabilidades de estudar numa boa escola, ou chegar à universidade.

A ideia de nascer e a partir dai, académica e profissionalmente os progressos dependerem exclusivamente de cada pessoa parece-me o objectivo mais justo.

Como fazê-lo?

O problema divide-se em vários sub-problemas: (qualquer um pode ser questionado na minha análise)

1º Uma família com elementos com alto nível de educação, pela sua postura e educação podem mais facilmente conduzir a uma tendência de estudo.

2º A capacidade financeira é decisiva no local onde estudam, e no apoio.. seja de material ou aulas extra.

A única maneira que vejo de criar isto é fazer depender as hipóteses exclusivamente de cada pessoa.

A capacidade académica seria a única decisora no local e tema do estudo pretendido... como separar isso da possibilidade financeira de cada família previamente... é uma questão interessante.

Embora com muitos problemas, interessante seria todas as familias contribuirem com uma percentagem dos ganhos igual para um bolo comum, que apoiaria os alunos. Cada aluno poderia escolher escola e receber uma percentagem do "bolo" consoante a sua capacidade académica.

Multiplos problemas surgem.. como a influência externa, (explicadores, ou ambientes familiares por exemplo)...

...mas também é apenas um pensamento...

La bella Roma!


Ver mapa de Roma maior


A nossa viagem...
...em modo digital!

quarta-feira, novembro 11, 2009

Recomeçou?



Depois de em 2007 ter entrado num circo surrealista da comunicação social, começando pelo convite do Expresso (onde publicaram um artigo meu) passando pela entrevista da RTP (para o Jornal) e por um convite para escrever um livro de uma editora (que recusei) e terminando...pensava eu..., no convite para um debate na Rádio Clube Portugal, (que também recusei)... hoje, 2 anos depois, foi a TVI...

Sim.. novamente queriam entrevistar sobre o tema escutas telefónicas.

É incrível o que uma pequena apresentação que por algum motivo o Google mantêm a "pairar" entre o primeiro e terceiro resultados desde 2007 consegue fazer as maiores agências de comunicação social querer entrevistar um perfeito desconhecido.



Deixa também no ar a verificação que eles fazem, ou tentam fazer da capacidade de alguém para falar sobre um tema... será que o Google Rank já é uma medida da avaliação disso do ponto de vista deles?

Resta dizer que amavelmente recusei...

...os meus 5 minutos de fama foram em 2007, TVI... foi por pouco!

domingo, novembro 08, 2009

Ídolos


Não percebo, sinceramente não percebo.

Já não tenho paciência para mais ídolos bullshit... e não me entendam mal, eu até gosto de programas onde se tenta encontrar talento.

Achei que o Britain's Got Talent em cada edição foi melhorando, duma maneira brilhante... e que realmente, o que mostravam, era maioritariamente o talento.

Era isso que era focado, as pessoas que, passando ou não à próxima edição, mostravam alguma coisa... e não a malta a levar com um não humilhantemente humorístico

Depois olho para a SIC e só vejo passar a humilhação e falta de talento... dizem que é uma espécie de entretenimento.

A mim soa-me aquele fase da vida escolar onde os "bullies" mandam e o resto da malta é gozada, excepto as misses e os bad boys que são "os fixes".

Para brincar e ouvir cantar mal vou ao Karaoke com amigos, e rimos-nos em conjunto.


Mais uma vez devo ser eu que estou mal...

...linchamento nacional de sonhos de gente que (pensa que) sabe cantar é que divertido, hooray!

quinta-feira, novembro 05, 2009

Strike 3, you're OUT!



Quem se lembra do velhinho Napster?

A luta global das editoras contra a partilha na internet começou ai... pela primeira vez esqueceram os gravadores de K7, VHS e mais tarde CDs...

Começou uma guerra, com motivos, de parte a parte mas que nunca irá dar bons resultados... para cada medida punitiva haverá 20 maneiras de escapar... isso nota-se bem, afinal a guerra ainda dura e não parece ter fim à vista!

Acho que o medo das editoras de morrerem ainda não as fez perceber que... a internet é o futuro. Plain and simple.

A Apple foi a primeira empresa que teve essa visão e a concretizou... a loja de música!

Percebendo que não pagar nada é obviamente injusto, mas que nunca deixará de existir essa opção, parece-me que os big players estão a ir pelo sentido errado...

Face it, you can't win this fight! Adapt!

A medida mais inteligente, embora complexa, de todas seria existe uma taxa de internet acrescida. Quando comprava-mos um plano de dados, no contracto haveria a hipótese de pagar mais 10-15€ por mês o que tornava legal tudo o que fizéssemos download (ilegal)... a complexidade da medida era a divisão do dinheiro pelos artistas etc. Mas tendo em vista o que estão a gastar neste momento em dinheiro para combater os downloads ilegais.. até diria "it's a piece of cake"!

Quem não pagasse e sacasse, tinha então medidas punitivas, tanto podia ser o "strike 3" que a Europa infelizmente parece estar a adoptar e que diz que se fores apanhado a sacar 3 vezes, após os 2 primeiros avisos por carta, à 3º é cortado o acesso à internet automaticamente, sem ser necessário autorização de um juíz.

Ora bem, para deixar de sacar.. corta-se a net!

Como é que nunca pensei nisso...

...Para não roubar, corta-se as mãos, faz sentido! :-D

segunda-feira, novembro 02, 2009

The Invention of Lying



Muitas vezes perguntamos-nos como seria se não houve mentiras...

Este filme dá uma visão muito interessante, e que faz pensar sobre o que é não existe mentira.. e sobre se ela é necessária ou não.

Neste filme, um homem, apenas um homem no mundo sabe mentir e aprende isso apenas a meio da sua vida...

Neste filme conseguimos ver as situações constrangedoras que evitamos com as "mentiras simpáticas" tornarem-se reais numa normalidade do ingenuamente verdadeiro, que se transforma no cómico pelo genial Ricky Gervais.

Vemos as pessoas num estado mais natural, ou menos socialmente convertido, como se aqueles momentos em que em crianças olhamos fixamente para uma pessoa com alguma deficiência ou dizemos "ele é gordo" tornarem-se banais.

Temos as situações caricatas em que dizemos coisas do foro intimo que nunca revelaríamos...

Percebe-se por ele que a mentira, mais que uma opção pessoal, é uma escolha social, que é usada na generalidade para evitar situações consideradas inconvenientes.

Se os meios justificam os fins... cabe a cada um julgar... eu diria que não, mas não sou ninguém para o dizer sendo que eu próprio o faço.


Viver neste mundo seria ao primeiro olhar muito "violento"...

...mas acho que preferia viver lá...

domingo, novembro 01, 2009

Vilões




Há um diálogo do Matrix que nunca esqueci, enquanto o Neo conversa com o Arquitecto...

"The Architect: The first Matrix I designed was quite naturally perfect, it was a work of art, flawless, sublime. A triumph equaled only by its monumental failure. The inevitability of its doom is apparent to me now as a consequence of the imperfection inherent in every human being. Thus, I redesigned it based on your history to more accurately reflect the varying grotesqueries of your nature. However, I was again frustrated by failure. I have since come to understand that the answer eluded me because it required a lesser mind, or perhaps a mind less bound by the parameters of perfection. Thus, the answer was stumbled upon by another, an intuitive program, initially created to investigate certain aspects of the human psyche. If I am the father of the Matrix, she would undoubtedly be its mother."


Nesta frase o arquitecto explica ao Neo porque é que ele vive numa simulação imperfeita, onde morrem pessoas, onda há injustiças, onde nem toda a gente é ou pode ser feliz...

É curioso que pode parecer uma afirmação apenas cinematográfica.. mas a verdade é que parece-me que é muito mais.

Desde pequenos adoramos ver desenhos animados... curiosamente em quase todos, pelo menos nos que geralmente tem mais sucesso, existem sempre dois lados, um branco e um preto (como diria o Locke), uma força boa e uma má a lutarem.

Existe sempre um vilão, e um herói.

A existência de um herói necessita da existência de um vilão, sem um vilão ninguém seria herói.

Vemos aqueles desenhos animados, e identificamos-nos com o herói, (espero eu, uma identificação contrária pode ser... complexa), queremos lutar com o vilão, e ganhar.


Porque existirá esta necessidade tão primária de haver um lado branco e um preto...

... e será que ela existe mesmo?


quinta-feira, outubro 29, 2009

Amas realmente?



Hoje numa formação conclui que o meu desvio predominante de personalidade é o paranóide, seguido do obsessivo-compulsivo com um toque de fóbico.

Ironicamente baste certo com a filosofia de focar um inimigo para o fortalecimento da equipa de Carl Schmitt, que percebi que muitas vezes seguia (e que já tinha falado aqui).

Também percebi que provavelmente comecei por ter predominância de fóbico, passando depois a ter predominância de obsessivo compulsivo e por fim cheguei aqui.


Tocamos também na nossa limitação social lógica do amor.

Social e racionalmente limitamos o máximo de amor que temos por alguém, isto é, se podemos amar 100%, sendo que isso é deixar tudo por esse amor, viver para ele, por ele, ser o centro da nossa vida, darmos a vida por ele se for preciso... hoje em dia consideramos isso um exagero então limitamos essa capacidade para 80, 70, 60, 50%...

É fácil perceber que não chegamos aquele topo, porque se uma relação de 100% terminasse, passaríamos a odiar essa pessoa, segundo Sigmund Freud, duma maneira tão forte e intensa como a amávamos... aquele ponto em que em vez de darmos a vida por ela, apetecia mata-la.

Não chegando a esse ponto, Sigmund Freud diria que nunca amamos realmente.


Obviamente foi uma protecção nossa, social, racional... é curioso pensar nisto.. de como cada vez mais diminuimos as nossas capacidades, quase sempre propositadamente...


Diríamos que é para sermos mais saudáveis... talvez, mas será que também não é isso que está a levar a relações menos fortes, mais levianas que acontecem cada vez mais...



Por hoje chega de psico-análise...

...mas lá voltarei!

sexta-feira, outubro 23, 2009

Marketing



O pensamento que retenho de hoje, é algo que já tinha estudado e percebido.

O marketing responde a necessidades das pessoas...



...não as cria.

quinta-feira, outubro 22, 2009

Filosofia perdida


Acabei hoje de ler este livro.

Confesso que já tinha saudades de ler. Estar a desfolhar concentrado num bom livro é das melhores coisas...

Ironicamente foi uma série que gosto bastante, (vá MUITOO), que me puxou para ler. Comecei por ler por curiosidade, "vamos lá ver o que sai daqui".

Confesso que tenho o hábito de comprar livros assim, gosto da capa, do tema, ou assim.. e levo para casa. Geralmente tenho sorte, porque saem livros mesmo interessantes, desta vez não foi excepção.

Alias, este livro foi muitíssimo interessante, para mim que gosto de filosofia, e mesmo de psicologia.

A verdade é que fala de conceitos base sobre como vemos o mundo, porque socialmente agimos assim e faz e tenta responder a todo um conjunto de questões como, "a nossa vida tem sentido?", "existe um criador?", tudo de um ponto de vista de gente que digamos que dedicou a vida a pensar bastante nisto, alguns dos mais famosos filósofos.

O fim confesso que me destruiu por uma linha de filosofia relacionada com o sentido da vida... mas não vale a pena falar muito disto, até porque ainda tenho a certeza que absorvi muito pouco do conhecimento, tenho que ler as obras mesmo deles.

A meio do livro, surgem vários conceitos que me parecem no entanto a não esquecer.. por exemplo o conceito de Carl Schmitt, (que um passado obscuro), que teorizou que é necessário haver um inimigo para a formação de uma sociedade.. por exemplo, considerarmos Espanha um inimigo vai fazer Portugal unir-se mais, o que achei muito curioso, e que percebi que de facto usava como metodologia de união, sem me aperceber.

O conceito de ideologia foi um que achei também interessante, sendo que uma ideologia é algo que é socialmente construido, parecendo ser a norma, sendo tomado como certo tornando-se um sistema de crenças que é tomado como a verdade.
Gostei especialmente da analogia em que falavam de uma ideologia ser um par de óculos com que vemos o mundo, nem nos apercebemos deles e parece a única forma de ver. Assim que percebemos que temos os óculos, a ideologia deixa de o ser, podendo ser conscientemente afastada.

Existe ainda a ética de amizade, em que se realça, um cliché, que um amigo ajuda outro sem que isso seja com intenção que da "próxima" seja ao contrário.

Outro dos momentos surpreendentes é quando São Tomás de Aquino surge mencionado, e refere uma citação da Bíblia "Está sempre pronto para dar uma explicação, a quem te peça uma razão para a tua fé" (1 Pedro 3:15), esta frase relaciona-se muito com a minha maneira de pensar, que se deve ter uma fé racional e tornou-se claramente a minha citação favorita da Bíblia (confesso que não tenho uma "relação" muito pacifica com ela, mas isso fica para outro dia..).

Existe ainda muito mais...

... mas deixo para quem gostar de LOST e de filosofia para ler...

quarta-feira, outubro 21, 2009

Diabo na Cruz




Há algum tempo andava morto musicalmente.. ou seja, não surgia nenhuma música que realmente apelasse ao meu ouvido.

Hoje enquanto ouvia a Antena 3 surgiu uma pequena maravilha do nada, chamada Diabo na Cruz (podem ouvir aqui, recomendo o Loucos estão certos - letra da música).

Gostei do estilo louco e bem disposto...

...acho que estou viciado!

terça-feira, outubro 20, 2009

Loop em vídeos do YouTube



Para quem gosta como eu de as vezes derreter o cérebro a fazer loop em vídeos de conteúdo musicalmente.. bom.. podem "por" um botão loop no YouTube.

Caso tenham o Firefox instalem o Greasemonkey e depois vão aqui instalar o Loopy et voilá aparece aquele botão da imagem muito agradável :-)

Para quem usa Opera pode adicionar aos "user scripts" o Loopy (não adiciono aqui detalhes, porque não uso Opera, mas basta googlarem e acham facilmente como o fazer).

Para quem não usa o Firefox nem Opera, pode usar isto.


Ide e loopai...

...podeis começar aqui.

sábado, setembro 26, 2009

Dinheiro de plástico

Ultimamente não uso dinheiro, na versão tradicional isto é.

Parece-me uma coisa do passado, papel, metal... ter que andar a fazer contas, e confirmar trocos, ou ver se tenho a quantia xpto para pagar...

Este método em nada difere de há muitas centenas de anos.

Uso apenas o cartão de crédito, para tudo o que puder... (e irrita-me bastante quando não posso pagar algo com ele). Fica tudo anotadinho no banco online para onde foi cada cêntimo o que permite controlar melhor as minhas finanças, e nunca há enganos para bem ou mal nos trocos.

Não percebo porque é que as pessoas, nem digo as mais velhas, que essas percebo, todos somos naturalmente resistentes às mudanças, e o medo de ser enganadas e não perceberem como funciona tudo ajuda a que não usem.. mas e as novas?

Porque se insiste em levantar dinheiro para pagar algo onde se pode usar o cartão? Será hábito? Será uma questão de psicologicamente ter mais controlo sobre os gastos dado que notas físicas desaparecem da carteira? Ou é simplesmente porque ainda demora uns minutos a pagar com cartão?

Também não ajuda que nem todos os locais aceitem, mas à parte disso confesso que não percebo a preferência por dinheiro.

Talvez alguns feedbacks aqui no blog me ajudem a abrir perspectivas.

Entretanto vou já pensando e lendo sobre o novo sistema que a MasterCard está a tentar implementar em Portugal até ao fim do ano, que usa RFID... e que de certo vou gostar :-)

Este blog está a ficar muito tecnológico...

...estarei a ficar demasiado focado?

sexta-feira, setembro 25, 2009

terça-feira, setembro 22, 2009

Buggy






Hoje estou triste.

Existem aquelas "coisas" que damos por garantidas. Que ano após ano, nos crescemos, viajamos, passeamos, mas quando voltamos a casa estão sempre lá, à nossa espera.

O Buggy é uma delas... é um serra da estrela que tenho desde talvez os meus 9 anos... ou seja deve ter cerca de 15 anos...

Andava já de lado, com muita dificuldade... ouvia mal, e via provavelmente ainda pior, até brincávamos com ele ter aquele aspecto todo desengonçado... mas nunca falhava, quando se chegava a casa, lá ia ele...

Hoje não foi....

Encontrei-o deitado num canto, sem se conseguir levantar, a ganir de desespero por não ter a força que outros tempos teve para se mover...


Hoje percebi que o meu amigo, provavelmente um dos mais antigos, não é eterno.


Update (23/09/2009): Morreu :-(

segunda-feira, setembro 21, 2009

Pensamento do dia

Faz-nos falta a pedagogia do fracasso, temos medo dela, mas é o que nos dá força. Necessitamos de uma pedagogia que sem ser opressiva faça a pessoa experimentar os seus limites, a ajude ser verdadeira consigo própria, a saber pedir ajuda, a pôr os meios, a não ficar na epiderme das vitórias fáceis; de uma pedagogia que não nos tire todas as pedrinhas do caminho, mas que nos faça aprender através dos fracassos e que deles tire partido para crescer. É bom ter fracassos porque é daí que nasce a humildade, a verdade e a possibilidade de vencer as nossas complicações.


Vasco P. Magalhães, sj

segunda-feira, setembro 07, 2009

Fim-de-semana da BOBAGEM!


View Fim de Semana Bobagem in a larger map

Quinta-feira à noite começou...

...1000 Km...

...dormir no Baleal...
...Peniche...
...Berlengas...
...dormir no forte...
...Baptismo de mergulho em alto mar...
...dormir em Santo Tirso...
...passar por Vila Real...
...chegar a Ribeira de Pena...
...Fantasticable... [ver o vídeo da minha chegada]
...Canyoning...

...chegar a casa domingo à noite, acabou...

...priceless!

quinta-feira, setembro 03, 2009

Amanhã estarei aqui...

Amanhã estarei aqui, numa viagem que prometi repetir o ano passado no mesmo local...







...na paz que me dará forças para um novo ano!

quinta-feira, agosto 20, 2009

Campinácios



Há algo que me prende, que me faz sonhar, que me move que não me deixa descansar...

Tenho andado a tentar perceber porque mexe tanto comigo este movimento de campos de férias... numa altura em que supostamente estaria numa fase nostálgica e de partida da minha vida de animador activo.

Mas algo teima em puxar-me e dizer "é só mais este projecto", "é o último".

Acho que cheguei à conclusão que lá sinto que é onde mais consigo expandir o meu potencial, de todas as coisas que estou envolvido, seja pessoalmente ou profissionalmente.

Lá, durante 10 dias mais que nunca, é-me permitido sonhar, e fazer sonhar os outros.

Tornar as coisas "um filme"... conseguir com muita ajuda que 39 pessoas caminhem sobre as águas... enquanto vejo e sorrio com esta música a ecoar na minha cabeça.

A confiança que põem sobre mim explode em motivação para que tudo seja perfeito. Como diriam no campo que fiz este ano... o possível não basta... é preciso o IMPOSSÍVEL!

Fico feliz só por ver um sorriso.

Lá consigo sentir-me em harmonia com tudo, especialmente comigo mesmo.

Lá...sou realmente o Pedro Vicente que sonho ser sempre!

Lá sinto que de facto, tudo é possível!


Será este um Caminho passado, de onde a comodidade não me deixa mover os sonhos para algo diferente, novo ou mais difícil...

...ou já faz este Caminho mesmo parte de mim?

quinta-feira, agosto 06, 2009

sábado, julho 25, 2009

Voei!

Planeado em cima da hora... foi um dia e pêras... ou devo dizer e feijoadas?

Partimos só 2 pessoas em direcção a Vila Real, depois de varios convites e recusas.. meio a dormir mas com animo e na expectativa do que iamos encontrar.

Antes de mais tenho só bem a dizer do Pena Aventura Park ... vá, excepto sobre as indicações de onde é a recepção mas isso foi um pormenor. A maneira com está o espaço, o atendimento, etc tudo impec.

Marcamos o pack Air Emotion que incluia o Fantasticable (sim, é o vídeo abaixo), e Air Bungee (Trampolins)... pareceu-nos interessante!

A verdade é que os Air Bungee, pareciam-nos a coisa fácil e que ia ser só para relaxar.. era saltar, dar umas cambalhotas, ve-se nos filmes, nada de especial... dai até estavamos a pensar em fazer depois do Fantasticable...

Puro engano... os trampolins é que são duros.. em 5 minutos estava completamente arrebentado e algo enjoado dos mortais para a frente e para trás.. e o meu companheiro de viagem ainda pior...

Sorte, foi que ficou isto para o fim:



E QUE FIM!

BRUTAL!

A sensação, após os primeiros 3 segundos, nem é de adrenalina, é de voar.. calma, no ar, a ver tudo, a sentir o vento a passar.. a velocidade nem se nota...


Era homem para passar uns dias, talvez até mais a voar...

...lista de sonhos, voar, fase 1, CHECKED!

Nota: O vídeo não é meu, não tive confiança para à primeira levar o telemovel para gravar na mão... mas da próxima não escapa!

sexta-feira, julho 24, 2009

História


Dou muitas vezes comigo a pensar em história.

Para mim o objectivo da vida tem muito a ver com fazer história. Marcar o nosso nome de uma maneira positiva e memorável... para quem me lê provavelmente isso foi-se tornando evidente..

É por isso que me faz tanta confusão pensar que podemos perder partes da história.. informação única.. pode um dia vir a desaparecer, antes ou após o desaparecimento da humanidade...

Mesmo que não desapareça já vi várias noticias que me deixaram incrédulo.. os primeiros filmes feitos já estão perdidos.. o material degradou-se e estão irrecuperáveis...

Pode parecer estúpido para muita gente, mas para mim faz confusão...

Pensei também que com a facilidade que actualmente um disco de computador tem de se estragar ou perder dados (quando falamos em grandes quantidades), já nem falo em CDs ou outras unidades do género que ainda são mais falíveis o que será mais seguro para guardar a informação da humanidade?

Cheguei a uma resposta, que pode ou não ser verdade, mas que me pareceu irónica.. papel.

Se enviarmos papel para o espaço, no vácuo, pelos meus conhecimentos limitados em física e química parece-me que serão mais resistentes no tempo do que um disco...

Dado que estão no vácuo não se degradarão.. no entanto algo como um disco está exposto a raios cosmicos que podem mudar bits ao longo do tempo...

No entanto.. como digo, penso com conhecimentos limitados, assim poderei estar a dizer uma barbaridade.

No entanto se estiver minimamente correcto é irónico...

...que o papel seja afinal o método mais viável de perdurar-mos...

terça-feira, julho 14, 2009

Quando algo é de todos...


Hoje enquanto pensava no campo de férias que vou fazer no verão e em como deve formar os futuros animadores pensava em como o material é mal tratado, descurado, pouco valorizado e se degrada...quando sem ele não poderiamos acampar...

Lembrei aquela velha máxima do que é de todos não é de ninguém...

É engraçado como o que é de todos, pelo menos no sentido de que todos podem usar, mesmo que tenha um dono, por exemplo uma instituição, se degrada mais rápido... e não me digam que é por ter mais uso.

Simplesmente em geral desligamos o botão "ter cuidado" e passamos ao botão "caga nisso"...

Se o carro for meu custa-me se bater com ele.. mas se não houver alguem objectivamente dono... o sentimento de cuidado e até de culpa posterior não cai da mesma forma.

Desmontar uma tenda é aborrecido, e como não é minha e acho que tenho os ferros todos não vale a pena verificar...

É o nosso comodismo a não ser vencido pela falta de necessidade da nossa parte em faze-lo... "se fosse meu, ai já verificava... mas assim deixei passar..."

Parece que regredimos à nossa fase de criança quando ao pegar nos brinquedos que não eram nossos não ligavamos se os estragava-mos, não são nossos...

A educação no sentido de cuidar, pelo menos com tanto cuidado do que é dos outro(s) como do que é nosso parece-me essencial numa sociedade que quer andar para a frente, que quer ser civilizada...

Nessa sociedade podiamos, por exemplo, ter Bugas em Aveiro sem as pessoas as levarem para casa e lentamente desaparecerem dos locais onde foram disponibilizadas...


Por agora para que em muitos casos cada um cuida de si e no máximo dos amigos...

...deve ser da crise... as doses de civismo devem estar caras...

quinta-feira, junho 25, 2009

"Dois Anos do XVII Governo no Desenvolvimento da Sociedade da Informação"

Uma apresentação do Prof. António Dias de Figueiredo, um dos professores que tive a sorte de ter e que mais admiro.



...concorde-se ou não a sua presença forte é indiscutível!

sexta-feira, junho 19, 2009

Citação do dia


"Being powerful is like being a lady. If you have to tell people you are, you aren't."

Margaret Thatcher

quinta-feira, junho 18, 2009

Mitos Hollywodescos


Existe ficção científica e existe pura burrice.

Hollywood é perito em ambos...

Existem várias coisas que são tidas como conhecimento geral, mas que não passam de mitos criados pelos filmes e séries e que não percebo como se continuam a usar ainda hoje em dia.

Por exemplo, quando um coração para continuamos a ouvir "CLEAR!" e pimbas um choque o tipo estrebucha e pronto, lá volta a bater... ora bem... se não sabiam acho que já passaram a saber que isso é mito tal como é referênciado por exemplo aqui:

"In the NBC television series E.R., the defibrillator is used regularly. As the show puts a high value on medical realism, classic mistakes such as defibrillating asystole ('flat-line') rarely occur."

Mas este é apenas um dos muitos que devem ter sido começados por ignorancia e agora são continuados por pura estupidez.

Já outros foram dismistificados pelos MythBusters tal como disparar uma arma contra um deposito de gasolina de um carro o fazer explodir, um tiro de caçadeira fazer a pessoa ser projectada para trás ou um carro ser o suficiente para proteger de balas não atingirem uma pessoa por trás dele...


Cada vez mais valorizo os filmes e séries que não continuam com estes erros...

...um exemplo recente foi a falta de som no espaço em Star Trek!

terça-feira, junho 16, 2009

Download torrents as normal files...



Ultimamente surgem conceitos informáticos que são complicados de compreender para o comum leigo... um deles é o torrent, (outro é o twitter mas desse já falei...ou falaram por mim).

O conceito de ter que sacar um ficheiro para adicionar a um programa que por sua vez vai sacar o ficheiro real que queremos é por vezes confuso e nada intuitivo.

Para dar a volta a isto, para quem usa Firefox apresento-vos o FireTorrent um plugin para o Firefox que permite que o processo se torne transparente...

Basta chegar ao sitio onde estão os ficheiros .torrent e po-los a sacar... et voilá começa a sacar o que realmente queremos.

É um conceito interessante e que provavelmente ajuda as massas a começarem, (ainda mais), a usarem isto...

...só precisam é de ter o Firefox!

sexta-feira, junho 12, 2009

YouTube Shows


Muitos de vocês não devem saber, mas o Youtube tem agora uma secção de Filmes / Séries disponível...

Tem lá séries clássicas bem como filmes bem catitas para ver, tudo ao bom velho estilo do YouTube... no entanto, e agora vem a parte irritante, como sempre está bloqueado o conteúdo aos Estados Unidos... raios partam esta falta de visão global.

No entanto, como obviamente me considero um cidadão do mundo, arranjei uma maneira do YouTube também achar que sou, e por consequência conseguir ver o que quero dos filmes e séries...

Tem um nome... quem sabe apropriado... chama-se HideMyAss e embora haja outros que fazem o mesmo achei mais piada a este.

Como funciona? Fácil, copiam o URL do que querem ver no YouTube (por exemplo http://www.youtube.com/watch?v=uuRcxnzguUE ), e colam no HideMyAss... et voilá!

Conseguem ver preciosidades tal como o primeiro episodeo de MacGyver... sem intervalos nem publicidade... ou o primeiro episódeo de ALF...

Adição posterior: Dado que os links acima directos para os episodes expiraram, vão aqui (MacGyver) por exemplo ou aqui (ALF) e copiem os URL dos vídeos e colem no HideMyAss aqui.

Eish... que isto é nostálgico...

...um bocado bizarro rever, mas nostálgico!

Ps: Esqueci-me de dizer, para os mais cautelosos... é tudo legal :-) (ao contrário de sacar).

terça-feira, junho 09, 2009

Pranks


Adoro pregar partidas, e tenho percebido que tenho especial talento (negro) para isso...

Acabo por pregar a maioria delas, durante o ano, em computadores, porque é a minha área, e acabo por usar coisas que penso mais tarde que podem servir para... coisas mais divertidas.

A última foi mudar o ficheiro hosts do Windows, encaminhando todos os motores de busca para uma página que nada tinha a ver... e ver a cara da vitima de olhos bem abertos sem perceber o que se passava... priceless... (obviamente era alguém desta área também, senão não tinha piada)... até porque melhor do que isto é depois ver a pessoa a tentar por tudo "ok".

Mas vá, não sou assim tão mauzinho, passado algum tempo expliquei como se voltava a por tudo bem.

Partilho com vocês como se faz isto, mas.. juízo! Isto deve ser para todos se divertirem e não para prejudicar alguém!


Vão a esta pasta: C:\Windows\System32\drivers\

Terão lá um ficheiro chamado hosts, que podem abrir com o Notepad/Bloco de Notas

Esta é uma tabela de DNS do Windows... ou explicando numa forma mais leiga, quando vão ao vosso Firefox ou Internet Explorer e escrevem www.Google.com, o vosso computador tem que descobrir onde, (em que IP) é que está o Google.com...

Esse ficheiro serve para fazer isso localmente, ou seja, o que puserem ai o vosso computador não precisa de ir à net procurar onde é que está, sabe logo.

Ou seja se adicionarem esta linha ao fundo desse ficheiro:

128.121.146.228 youtube.com

Sempre que o vosso amigo foi ao youtube.com, abrirá em vez disso o Twitter...


Façam maldades...

...mas depois não se esqueçam de as remover!

Ps: Em caso de browsers com cache de DNS, com o Firefox demorará algum tempo até isto acontecer, porque ainda tem guardado o IP da última vez que lá foi.

domingo, junho 07, 2009

Votar



É um vídeo sobre as eleições na América, ainda pré-Obama, mas adapta-se bastante bem a todas as votações políticas...

...sem voto, sem moral para dizer que está mal!

sábado, junho 06, 2009

O que é o twitter?

Já me perguntaram várias vezes o que é o twitter... já respondi de várias formas, mas acho que esta é a resposta mais correcta que podia dar...



... in plain English!

quarta-feira, junho 03, 2009

Formação


Tenho andado a ter algumas formações, e para além do que tenho aprendido tenho constatado uma coisa muito curiosa.

Tenho sido ensinado a fazer exactamente as mesmas coisas que nas formações que tenho para animar campos de férias... no entanto os motivos são diferentes.

Por exemplo, enquanto que numa delas sou formado para ser humilde e ter sempre isso em mente, na outra sou formado para nunca dizer que sou o maior, mesmo que o pense, para gerir expectativas...

Isto porque existe uma fórmula curiosa, P-E = S , ou seja Produto Final - Expectativa = Satisfação.
Tendo uma escala de 0-10, isto implica que mesmo que seja realmente um 9 (P), se a expectativa foi 8 (E) a satisfação vai ser apenas 1 (S).. no entanto, se for um 8 (P) e um 5 (E) => 8-5 = 3(S)!



Ensinam-nos também que criticar em algumas situações não trás nada de positivo... imaginando que sou casado, e o jantar feito pela minha mulher está salgado, e ela já o admitiu não vale a pena bater no ceguinho... num deles porque não faz sentido, porque todos no enganamos.... no outro porque isso poderá implicar que amanhã já não haja comida, seja salgada, seja sem sal....

É extremamente curioso verificar que o final muitas vezes é igual, no entanto a motivação é bastante diferente...

Serão complementares ou imisciveis?

...ainda não consegui perceber...

domingo, maio 17, 2009

TV


Há coisas que me tocam.

Poucas dessas coisas são criações comerciais para a televisão.

No entanto tenho seguido o Britain's Got Talent e é sem dúvida uma excepção.

É algo que dá as pessoas uma oportunidade de serem alguém para o mundo para além das suas vidas quotidianas. Um dia são alguém que pouco conhecido no seu bairro, no outro são uma pessoa conhecida a nível mundial...

Se o YouTube, (e afins), tem dado cada vez mais essa oportunidade, a verdade é que presencialmente aquele programa é dos poucos que permite a uma pessoa chegar, e actuar perante uma plateia de 20 000 pessoas, e receber o feedback instantâneo do que faz, seja a frieza ou o calor acolhedor e o "bak" emocinal de ter uma ovação.

É extraordinário ver o brilho no fundo dos olhos de cada pessoa que lá vai e tenta dar o seu melhor..

É extraordinário ver um Paul Potts, uma Susan Boyle entre tantos outros...

É extraordinário perceber que cada pessoa pode revelar um potencial invisível e avassalador.


É bom sentir-me inspirado...

...gostava que cada pessoa tive uma oportunidade assim para o que sonha!

domingo, maio 10, 2009

I have a dream...


Numa mailing list em que estou inscrito, num contexto universitário, surgiu uma discussão sobre a importância do grau académico e como isso deve influenciar a maneira como somos tratados em comunidade.

Os argumentos prendiam-se com o mérito que um licenciado, mestre ou doutorado tem ao ter o curso, e como ele deve ser melhor tratado de quem não tem... tal como uma pessoa honesta deve ser melhor tratada que um assassino... ou como o presidente da República deve ter um tratamento diferente do que todos os outros cidadãos...

Como argumento final a maneira de como tratamos os nossos amigos melhor que a pessoa comum era um elemento discriminatório básico que demonstrava o principio.


Confesso que isto me fez confusão... muita confusão.

Sou muitíssimo a favor dum tratamento igual para as pessoas, embora estas sejam necessariamente diferentes.

Curiosamente um dos defensores do diferenciamento não me respondeu se um "trolha" que trabalha todo o dia no duro, para o filho poderer tirar um curso superior deve ser tratado de forma diferente do filho, que é "doutor".

Embora tentador para o ego, parece-me absurdo.. obviamente que a condição de ensino influencia os potenciais conhecimento, por norma... mas isso não significa que a outra pessoa seja menor.

Um agricultor pode não saber ler, é verdade, mas ponham-nos lá a plantar batatas os dois a ver quem tem o domínio dessa matéria...

Sempre me fez, e fará confusão a diferenciação das pessoas pelo grau académico. Em casa sempre ouvi, e muito bem, que o estudo não é um mérito, é o meu dever.. até porque é o meu único trabalho (neste caso... era :-P).

Infelizmente em Portugal, e talvez noutros países onde os cursos superiores há alguns anos eram ainda raros, valoriza-se muito o grau académico... é o Doutor António, ou o Engenheiro Joaquim... e as vezes nem o grau tem... mas pronto, assumindo que têm, muito bem, e dai?

Porque é que "Senhor António" ou "Senhor Joaquim" não é adequado?
Tem menos respeito? Tira-lhes um pedaço? São menos médicos, juízes, ou engenheiros?

Sinceramente esta é uma questão que me arrepia os cabelos... parece-me tão straightforward... somos diferentes, mas somos todos pessoas, humanos, para que ter que andar sempre a demonstrar os "galões"?

Temos necessidade de no dia-à-dia como nas forças militar demonstrar o grau.. neste caso não temos o grau à vista no ombro, então temos que puxar por ele no inicio do nome?

Pessoalmente nunca quis nem quero, que quando seja engenheiro me tratem assim... e se tratarem, que seja pelo menos no contexto certo, o meu trabalho, o sitio onde sou engenheiro.

Não quando estou em casa, no hipermercado ou na rua... na rua não estou a programar, na rua não estou a desenvolver software, na rua estou a ser o Pedro, ou se quiserem Sr. Pedro no máximo, não estou de qualquer maneira a exercer o contexto académico ou profissional.... (e sinceramente se me tratarem por tu, prefiro ainda mais).

Continuo a ser engenheiro em qualquer um daqueles sítios... mas para que puxar logo pelo grau...porque ter que bater na minha vertente académica/profissional... apenas isso não define nem deve define nada sobre mim...

Espero um dia ver esta mentalidade enraizada mudar... poderíamos começar pelas notícias... se cá se lê tanto sobre o "Engenheiro Sócrates", neste artigo (que é um artigo económico que achei interessante), mas voltando ao assunto, o que se lerá?

Olha... Mr. Sócrates!

Quem diria...

... se eu fosse a ele era já um processo em cima, senhor?! Se isto se admite, ENGENHEIRO, ENGENHEIRO Sócrates...



Ps: Um bom e famoso exemplo da destruição instantânea de preconceitos que não me deixa de tocar por muito que o veja...

sexta-feira, maio 08, 2009

Flame war!



O comportamento tipico de hoje em dia na internet, a chamada flame war, em que alguém envia algo, e começam as críticas sucessivas.

O College Humor conseguiu pegar nisso e gozar com a situação...


...let the flames begin!

quinta-feira, abril 30, 2009

Serenata


Por pouco estava em Lisboa a esta hora... mas o importante é que vim!

Vim e trouxe o meu caloiro e não só para a primeira serenata.

...já a senti como longe, já uma despedida de algo que já não me soa a meu...

sexta-feira, março 06, 2009



Parabéns!

(Vá eu admito.. és mais velha :-X ... mas ponho pequenino senão muita gente lê)

quinta-feira, março 05, 2009

Twitter


Já tinha ouvido falar muito do Twitter... e curiosamente nem tinha sido na internet, era mais na televisão onde era largamente divulgado devido à sua utilização por pessoas mediáticas como Barack Obama.

Confesso que não tinha percebido ainda a utilidade, achava o conceito de micro-blogging estranho. 140 caracteres de máximo?!

Ir ao site escrever? Mandar SMS do telemóvel (isto não achava piada.. gastar dinheiro sem motivo)? ... Não me parecia nada prática nenhuma das opções, nem útil...

Hoje percebi o conceito. Talvez o tenha percebido só quando e porque achei o TwitterFox que ultrapassava os problemas anteriores...

Percebi que um tweet é um desabafo para o ar, uma coisa suficientemente insignificante para não ser escrita num blog, mas suficientemente importante para nos apetecer partilhar.

Mas o sucesso não se deve a isso de longe.. deve-se à versalidade de aplicações a correr sobre a sua API, (uma API é tipo um intermediario entre dois programas que permite que eu escreva um programa que use o Twitter neste caso).

Há Tweets de agencias noticiosas, de pessoas famosas, de instituições... e o que reparei ser interessante é que como há tanta coisa na internet o nosso tempo de atenção a cada uma é cada vez menor... os 140 caracteres permitem que façamos uma selecção rápida do que vale a pena ler mais... quando há mais para ler.

Integrei uma das aplicações que usa a API do Twitter no blog...

...não porque sejam de grande importância, mas porque achei que podia ter lógica unir outra coisa sobre mim...

Adição posterior: Integrei a minha conta do Twitter com a do Blogger e vice-versa.. ou seja aqui aparecem os tweets e no twitter aparecem excertos dos posts quando publico um novo...

terça-feira, março 03, 2009

Conversas


Hoje reata-se uma amizade em forma de conversa sobre fé.


Obrigado por teres aceite o desafio!

segunda-feira, março 02, 2009

De onde vem a crise?



Não sou uma pessoa de grande cultura económica, como tal, não percebo bem as causas de uma crise, enquanto que os efeitos são bem visíveis.

Sempre me pareceu esquisito o conceito de crise.. porque na realidade o dinheiro em circulação é o mesmo, se bem que tinha a noção que é sempre a procura que influência e não só a "quantidade" de dinheiro.

A face mais visível disto é o preço dos diamantes, que se mantém sempre extremamente altos porque os grupos que os vendem apenas o suficiente para a procura, que é sempre elevada, não conseguir ser totalmente satisfeita... fazendo com que as pessoas paguem mais para serem alguns dos "poucos" a terem.

Para mim isto é tudo muito estranho. Lembra-me a história sobre os índios e o inverno. Começa com os índios a abastecerem-se de lenha para o Inverno... então o chefe, mais tecnológico decide ligar para a meteorologia e pergunta: "Então este Inverno vai ser frio?"

A resposta do outro lado é: "Acreditamos que sim!". Como bom chefe que é, indica à restante aldeia para recolher mais lenha, no entanto de tempos a tempos vai verificando com a meteorologia: "Vai ser mesmo frio?"

"Sim, vai ser mesmo muito frio!". E cada vez recolhem mais lenha...

Até que um dia, decide perguntar: "Desculpem lá, mas como é que vocês tem a certeza que vai ser assim tão frio?"

A resposta do outro lado:"Os índios que percebem disto estão a armazenar lenha como nunca vimos.."

Diria o Fernando Peça...

...e esta hein?

domingo, março 01, 2009

MBA - Liderança Inaciana



Há pouco mais de um ano referia pela primeira vez aqui a liderança inaciana.

Curiosamente hoje não volto só a referir, este tipo de liderança, como foi o meu próprio post foi referido também por outros...

Explicando melhor, estive num MBA sobre Liderança Inaciana....

...falarei mais sobre ele quando tiver tempo.

quarta-feira, fevereiro 25, 2009

Hoje tive pela primeira vez a realização emocional que o meu pai é efémero.

Não gostei.

...

terça-feira, fevereiro 24, 2009

Frieza


A minha frieza assusta-me...

Já tinha notado algumas vezes, acho que foi algo que treinei enquanto era mais novo. Ser frio, não ser emotivo. Os motivos sempre foram achar que era uma fraqueza...

Para que chorar, quando isso pode inibir a acção? No fim de contas eu queria ser um Bruce Willis num Die Hard, agir.

A minha frieza perante as situações mais complicadas sempre me pareceu positiva.

Lembro-me sempre da minha mãe a falar do antigo chefe dela, que quando uma botija de gás estava em risco de explodir, pegou nela e foi a correr para fora do laboratório arriscando-se pelo resto. Esta sempre foi uma imagem que venerei.

Não sei se é propriamente altruísmo, ou simplesmente vontade de ser herói. Ou se ambas não tem um pouco em comum.

Lembro-me por exemplo de uma situação, à pouco tempo, quando vi um petromax a incendiar-se e sem hesitar arranquei para o apagar, pensando ao mesmo tempo, que me ia magoar a sério, mas que estava a fazer o certo. E no fim, senti-me orgulhoso. Era o líder, agi como tal, mais agi como um heroi.

Provavelmente esta minha vontade advem de ser, como diz um amigo meu, "educado por um vidro que não causa empatia", fazendo referência à televisão. Um vidro que me levou à ideia de um heroi duro, que se sacrifica para ser no fim quase venerado.

Se isto me trouxe alguma paz, e até momentos que me orgulho particularmente, desta vez fez-me confusão.

Ver alguém a chorar à minha frente, sentir que a situação é de facto grave, e mesmo assim ficar impávido, torcido por dentro, mas sem vontade de chorar. Parece que assisto apenas racionalmente à minha vida.

Não sei se é saudável ser assim, não sei se quero ser assim. Até agora queria. Agora, hesito...

...emocionalmente...

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Tech and geek stuff


Muitas das pessoas que comentam comigo que lêem este blog não são de todo geeks, ou grandes experts de tecnologia, mas hoje ao contrário da maioria dos dias apetece-me escrever de coisas geeks.

Desde que comecei o estágio e agora o novo trabalho tenho focado muito mais a minha atenção, em coisas tecnologicas, (até porque estou mais horas acordado diria), o que tem coisas boas e más.

Tenho andado a pensar em coisas que assumo como obvias e que a maioria dos não informáticos não deve achar nada obvio, e que tem alguma piada por isso...

Por exemplo, um e-mail. símile com uma carta para percebermos que tem um texto que é o objectivo, um destinatário, e um emissor, (claro que podemos considerar que tem mais destinatários, por exemplo, todos os membros de uma casa,se for de locais diferentes já é uma copia; também podemos considerar que tem vários emissores mas que apenas um se autentifica como tal ao enviar).

No entanto, embora as pessoas não pensem nisso, tal como numa carta podemos enviar um email com um remetente falso, podendo também mudar a hora e dia em que o email aparentemente foi enviado para o receptor.

É assim que há falcatruas com pessoas que recebe email que parecem de instituições, como bancos, mas são apenas falcaturas.
É assim também que me "diverti" a provar que algumas coisas são falsas a algumas pessoas teimosas, com o objectivo de terem mais cuidado.. especialmente com a coisa IRRITANTE que são os chain-mails, ou email em cadeia sobre a tia-avó do primo do sobrinho que mandou 10 mails e ganhou o euromilhões.

Aposto que vão olhar duas vezes para os emails da próxima vez...


Outra coisa que me tem feito pensar, e isto sim é mais geek, são as páginas web, ou em português, os "sítios".

Para dar um exemplo simples, imaginem que vão a um sitio que tem uma caixa onde podem escolher o vosso sexo: Masculino ou Feminino. Isto é feito para não se poder inserir outras coisas... no entanto, quando vocês abrem uma página o que acontece é que o código dela é sacado, e "renderizado" (palavra mais geek para tratado e mostrado), no vosso browser (Firefox, Internet Explorer, Opera..). E se mudarem o código para outra coisa?

Por exemplo "Bananas"? Supostamente do lado do servidor deviam estar feitas as protecções para que não aceitasse quando enviassem, no entanto, dado que não há muitos browsers a permitirem alterações do código enquanto navegamos, possivelmente há por ai muito sítio sem essas protecções...

Divirtam-se a procurar...

...ou apenas a abanar a cabeça a pensar "Pedro, Pedro tás cada vez pior.."...

terça-feira, fevereiro 17, 2009

Diferenças


Tenho andado a pensar sobre as diferenças das pessoas, sobre se realmente há pessoas que tem mais e menos capacidade para o estudo.

Custou-me bastante a aceitar as diferenças abismais entre pessoas em relação a isto... a verdade agora é que a reconheço, no entanto parece-me redutor pensar que simplesmente nascemos assim.

Sempre achei, e acho que o talento é uma pequena parte do que nos faz chegar onde queremos, o esforço sim é a grande parte.

Isto tudo nasceu de uma conversa em que me dizem que quem não tem capacidade não vale a pena insistir, mais vale ir trabalhar..

Ora, isso é coisa para me causar alguma confusão, isto porque acho que é apenas a falta de ambiente, treino ou vontade que causa isto.. no entanto muita gente diz "se não fossem eles quem faria as casas, ou as pintava por exemplo?".

Ora bem, o meu lado de engenheiro não gosta muito dessa resposta, dado que um computador o que é? Uma máquina com a capacidade de fazer tarefas repetitivas para que foi programado, ou que por algum processo aprende, (sim, leram bem, aprende... já ouviram falar de inteligência artificial.. ainda não é humana, mas também não é nula).

E para que trabalhos vão a maioria das pessoas com menos habilitações? Trabalho repetitivos, ou pesados.

E daqui a 20 anos houver um robô que já consegue pintar uma casa, ou mesmo colocar o tijolo segundo o projecto que foi inserido? O que acontece?

Parece ficção científica? A verdade que não consigo viver no presente sem olhar para a frente e parece-me óbvio que a falta de conhecimentos mais ou menos profundos numa área especifica tem os dias contados, pelo menos para aqueles que queiram ter meios de se sustentar...

Aprender é divertido...

...basta percebermos, e superarmos as nossas inércias e reticências...

segunda-feira, fevereiro 16, 2009

It's a new day!



Wit...

...ness the difference!

Adição posterior: Wit is a form of intellectual humour. A wit (person) is someone skilled in making witty remarks. Forms of wit include the quip and repartee. - Wikipédia

quarta-feira, fevereiro 11, 2009

quinta-feira, janeiro 29, 2009

Campinácios?

Com a Revolução Campinacios v2.0 em marcha, um novo desafio é oficial...

Campo de Formação...

Ser o primeiro director leigo deste campo é um orgulho, e uma motivação extra...

A motivação em si é a formação que já há algum tempo é uma das coisas que mais gosto...

Tenho pensado muito sobre o campo...

...mas por agora a única coisa certaé o nome de código que lhe dei "Omega - o fim do princípio"!

quarta-feira, janeiro 28, 2009

Phase 2, checked!

É oficial, fiz o mínimo de cadeiras, ou devo dizer disciplinas, necessárias para o mestrado!

Phase 2, CHECKED!

Falta só 1 cadeira de licenciatura para dizer:

Phase 1, CHECKED!

Bem, daqui a 5 meses "falamos"...
... para vos mostrar o meu primeiro diploma :-)!

Ps: Quase que consegui o impossível..terminar o mestrado completo, incluíndo estágio sem a licenciatura..faltava um bocadinho assim |_|

Perfeição?


Numa conversa hoje, mostraram-me o quão difícil pode ser trabalhar comigo.

A minha obsessão pela perfeição (e aparentemente, a capacidade de parecer perfeito em algumas coisas que faço), parece fazer-me estar num pedestal a que as pessoas só podem aceder se eu deixar...

Nunca tinha visto isto por este ponto de vista.. em muitas coisas sempre exigi de mim a perfeição, mesmo que isso não seja possível, é para lá que aponto... fazendo o que estiver ao meu alcance para lá chegar... de uma maneira que chamaria quase obsessiva.

A minha consciência, nem o meu entusiasmo não me permitem jogar no campo abaixo disso... no entanto percebi que isso é um fardo gigantesco para quem trabalha comigo, que se poderá ver numa tensão enorme para estar à altura de alguém aparentemente perfeito...

Não sei bem qual é a solução para isto... até porque embora esta pseudo-perfeição seja algo, (bastante), alimentada pelo meu ego, a verdade é que parece dar resultado.. tanto que se não fosse esta conversa provavelmente nunca teria pensado que pode não ser uma coisa tão... perfeita.

No entanto agora questiono-me das consequências para as pessoas à minha volta...

No potencial e coisas extraordinárias que fizeram que são mascarados por estar perto com esta minha "aparência"...

Onde está o equilíbrio entre o perfeito...

... e o saudável (ou devo dizer cristão?) para todos?

The End


Hoje terminou oficialmente o meu estágio.

Das últimas decisões esta foi das que mais me perturbou e custou, inicialmente pelas consequências que iria ter para mim, mas depois por ter que falar com as restantes pessoas envolvidas e as poder desiludir ou sair alguém chateado desta situação...

Terminou.

Lições foram aprendidas.

Lições de vida.

sexta-feira, janeiro 16, 2009

Ad eterno


Nos dias de hoje é impensável que um filme, um vídeo, um texto famosos se percam na história. Ou não será?

Parecem haver mil meios de comunicação, e especialmente com os electrónicos tudo está guardadinho, nem um email se perde!

Na verdade assumia isto muito com verdade... e assim sendo fiquei quase em choque quando vi uma reportagem sobre os filmes do início do século XX estarem quase todos perdido...

A partir poderá pensar-se que foram perdidos literalmente, alguém que os tinha arrumou-os num baú sem fundo.. mas a verdade é muito mais estranha...

Decompuseram-se.

Ainda agora fico algo atordoado com a ideia... o material onde estavam como tudo na terra decompõe-se, e assim fez...

Pareceu-me estúpido ao início... depois cai em mim, somos seres humanos não deuses da eternidade.


Acho que aquela pequena reportagem foi um choque de realidade... em que me apercebi de que não só nós somos finitos, mas como tudo o que possamos produzir.

Pensando bem agora que escrevo, talvez me tenha abalado porque nunca temi o nosso estatuto efémero, porque sempre achei que o importante é o que deixamos feito... ultimamente até mais as pessoas que deixamos.

Com esta realidade, afinal o que deixamos pode em si ser também finito e não perdurar, mesmo que seja um feito histórico, tal como o primeiro filme...

Embora seja um grande fã da "história" e ver perder coisas históricas me faça alguma confusão só por si, (atenção que nem sou grande fã dos filmes da época), não sei se foi apenas isso que me "deu um choque"...


Ainda não percebi totalmente porque é que me despertou a atenção a notícia...

...mas o facto é que despertou...

quinta-feira, janeiro 15, 2009

Mapa do Mundo



Encontrei esta imagem neste blog.

Caso não tenham reparado pela estranheza, é o mundo, justificado à esquerda, centrado, e justificado à direita.

No blog referia os autores: Angela Detanico e Rafael Lai.

Uma mudança de perspectiva...

...a cair para o design...