terça-feira, fevereiro 24, 2009

Frieza


A minha frieza assusta-me...

Já tinha notado algumas vezes, acho que foi algo que treinei enquanto era mais novo. Ser frio, não ser emotivo. Os motivos sempre foram achar que era uma fraqueza...

Para que chorar, quando isso pode inibir a acção? No fim de contas eu queria ser um Bruce Willis num Die Hard, agir.

A minha frieza perante as situações mais complicadas sempre me pareceu positiva.

Lembro-me sempre da minha mãe a falar do antigo chefe dela, que quando uma botija de gás estava em risco de explodir, pegou nela e foi a correr para fora do laboratório arriscando-se pelo resto. Esta sempre foi uma imagem que venerei.

Não sei se é propriamente altruísmo, ou simplesmente vontade de ser herói. Ou se ambas não tem um pouco em comum.

Lembro-me por exemplo de uma situação, à pouco tempo, quando vi um petromax a incendiar-se e sem hesitar arranquei para o apagar, pensando ao mesmo tempo, que me ia magoar a sério, mas que estava a fazer o certo. E no fim, senti-me orgulhoso. Era o líder, agi como tal, mais agi como um heroi.

Provavelmente esta minha vontade advem de ser, como diz um amigo meu, "educado por um vidro que não causa empatia", fazendo referência à televisão. Um vidro que me levou à ideia de um heroi duro, que se sacrifica para ser no fim quase venerado.

Se isto me trouxe alguma paz, e até momentos que me orgulho particularmente, desta vez fez-me confusão.

Ver alguém a chorar à minha frente, sentir que a situação é de facto grave, e mesmo assim ficar impávido, torcido por dentro, mas sem vontade de chorar. Parece que assisto apenas racionalmente à minha vida.

Não sei se é saudável ser assim, não sei se quero ser assim. Até agora queria. Agora, hesito...

...emocionalmente...

Sem comentários: