quinta-feira, outubro 22, 2009

Filosofia perdida


Acabei hoje de ler este livro.

Confesso que já tinha saudades de ler. Estar a desfolhar concentrado num bom livro é das melhores coisas...

Ironicamente foi uma série que gosto bastante, (vá MUITOO), que me puxou para ler. Comecei por ler por curiosidade, "vamos lá ver o que sai daqui".

Confesso que tenho o hábito de comprar livros assim, gosto da capa, do tema, ou assim.. e levo para casa. Geralmente tenho sorte, porque saem livros mesmo interessantes, desta vez não foi excepção.

Alias, este livro foi muitíssimo interessante, para mim que gosto de filosofia, e mesmo de psicologia.

A verdade é que fala de conceitos base sobre como vemos o mundo, porque socialmente agimos assim e faz e tenta responder a todo um conjunto de questões como, "a nossa vida tem sentido?", "existe um criador?", tudo de um ponto de vista de gente que digamos que dedicou a vida a pensar bastante nisto, alguns dos mais famosos filósofos.

O fim confesso que me destruiu por uma linha de filosofia relacionada com o sentido da vida... mas não vale a pena falar muito disto, até porque ainda tenho a certeza que absorvi muito pouco do conhecimento, tenho que ler as obras mesmo deles.

A meio do livro, surgem vários conceitos que me parecem no entanto a não esquecer.. por exemplo o conceito de Carl Schmitt, (que um passado obscuro), que teorizou que é necessário haver um inimigo para a formação de uma sociedade.. por exemplo, considerarmos Espanha um inimigo vai fazer Portugal unir-se mais, o que achei muito curioso, e que percebi que de facto usava como metodologia de união, sem me aperceber.

O conceito de ideologia foi um que achei também interessante, sendo que uma ideologia é algo que é socialmente construido, parecendo ser a norma, sendo tomado como certo tornando-se um sistema de crenças que é tomado como a verdade.
Gostei especialmente da analogia em que falavam de uma ideologia ser um par de óculos com que vemos o mundo, nem nos apercebemos deles e parece a única forma de ver. Assim que percebemos que temos os óculos, a ideologia deixa de o ser, podendo ser conscientemente afastada.

Existe ainda a ética de amizade, em que se realça, um cliché, que um amigo ajuda outro sem que isso seja com intenção que da "próxima" seja ao contrário.

Outro dos momentos surpreendentes é quando São Tomás de Aquino surge mencionado, e refere uma citação da Bíblia "Está sempre pronto para dar uma explicação, a quem te peça uma razão para a tua fé" (1 Pedro 3:15), esta frase relaciona-se muito com a minha maneira de pensar, que se deve ter uma fé racional e tornou-se claramente a minha citação favorita da Bíblia (confesso que não tenho uma "relação" muito pacifica com ela, mas isso fica para outro dia..).

Existe ainda muito mais...

... mas deixo para quem gostar de LOST e de filosofia para ler...

1 comentário:

Nana disse...

É bastante interessante, embora não concorde com algumas coisas, demonstrou bem o papel da filosofia. "Pintar cinzento sobre cinzento"