sábado, julho 25, 2009

Voei!

Planeado em cima da hora... foi um dia e pêras... ou devo dizer e feijoadas?

Partimos só 2 pessoas em direcção a Vila Real, depois de varios convites e recusas.. meio a dormir mas com animo e na expectativa do que iamos encontrar.

Antes de mais tenho só bem a dizer do Pena Aventura Park ... vá, excepto sobre as indicações de onde é a recepção mas isso foi um pormenor. A maneira com está o espaço, o atendimento, etc tudo impec.

Marcamos o pack Air Emotion que incluia o Fantasticable (sim, é o vídeo abaixo), e Air Bungee (Trampolins)... pareceu-nos interessante!

A verdade é que os Air Bungee, pareciam-nos a coisa fácil e que ia ser só para relaxar.. era saltar, dar umas cambalhotas, ve-se nos filmes, nada de especial... dai até estavamos a pensar em fazer depois do Fantasticable...

Puro engano... os trampolins é que são duros.. em 5 minutos estava completamente arrebentado e algo enjoado dos mortais para a frente e para trás.. e o meu companheiro de viagem ainda pior...

Sorte, foi que ficou isto para o fim:



E QUE FIM!

BRUTAL!

A sensação, após os primeiros 3 segundos, nem é de adrenalina, é de voar.. calma, no ar, a ver tudo, a sentir o vento a passar.. a velocidade nem se nota...


Era homem para passar uns dias, talvez até mais a voar...

...lista de sonhos, voar, fase 1, CHECKED!

Nota: O vídeo não é meu, não tive confiança para à primeira levar o telemovel para gravar na mão... mas da próxima não escapa!

sexta-feira, julho 24, 2009

História


Dou muitas vezes comigo a pensar em história.

Para mim o objectivo da vida tem muito a ver com fazer história. Marcar o nosso nome de uma maneira positiva e memorável... para quem me lê provavelmente isso foi-se tornando evidente..

É por isso que me faz tanta confusão pensar que podemos perder partes da história.. informação única.. pode um dia vir a desaparecer, antes ou após o desaparecimento da humanidade...

Mesmo que não desapareça já vi várias noticias que me deixaram incrédulo.. os primeiros filmes feitos já estão perdidos.. o material degradou-se e estão irrecuperáveis...

Pode parecer estúpido para muita gente, mas para mim faz confusão...

Pensei também que com a facilidade que actualmente um disco de computador tem de se estragar ou perder dados (quando falamos em grandes quantidades), já nem falo em CDs ou outras unidades do género que ainda são mais falíveis o que será mais seguro para guardar a informação da humanidade?

Cheguei a uma resposta, que pode ou não ser verdade, mas que me pareceu irónica.. papel.

Se enviarmos papel para o espaço, no vácuo, pelos meus conhecimentos limitados em física e química parece-me que serão mais resistentes no tempo do que um disco...

Dado que estão no vácuo não se degradarão.. no entanto algo como um disco está exposto a raios cosmicos que podem mudar bits ao longo do tempo...

No entanto.. como digo, penso com conhecimentos limitados, assim poderei estar a dizer uma barbaridade.

No entanto se estiver minimamente correcto é irónico...

...que o papel seja afinal o método mais viável de perdurar-mos...

terça-feira, julho 14, 2009

Quando algo é de todos...


Hoje enquanto pensava no campo de férias que vou fazer no verão e em como deve formar os futuros animadores pensava em como o material é mal tratado, descurado, pouco valorizado e se degrada...quando sem ele não poderiamos acampar...

Lembrei aquela velha máxima do que é de todos não é de ninguém...

É engraçado como o que é de todos, pelo menos no sentido de que todos podem usar, mesmo que tenha um dono, por exemplo uma instituição, se degrada mais rápido... e não me digam que é por ter mais uso.

Simplesmente em geral desligamos o botão "ter cuidado" e passamos ao botão "caga nisso"...

Se o carro for meu custa-me se bater com ele.. mas se não houver alguem objectivamente dono... o sentimento de cuidado e até de culpa posterior não cai da mesma forma.

Desmontar uma tenda é aborrecido, e como não é minha e acho que tenho os ferros todos não vale a pena verificar...

É o nosso comodismo a não ser vencido pela falta de necessidade da nossa parte em faze-lo... "se fosse meu, ai já verificava... mas assim deixei passar..."

Parece que regredimos à nossa fase de criança quando ao pegar nos brinquedos que não eram nossos não ligavamos se os estragava-mos, não são nossos...

A educação no sentido de cuidar, pelo menos com tanto cuidado do que é dos outro(s) como do que é nosso parece-me essencial numa sociedade que quer andar para a frente, que quer ser civilizada...

Nessa sociedade podiamos, por exemplo, ter Bugas em Aveiro sem as pessoas as levarem para casa e lentamente desaparecerem dos locais onde foram disponibilizadas...


Por agora para que em muitos casos cada um cuida de si e no máximo dos amigos...

...deve ser da crise... as doses de civismo devem estar caras...