sexta-feira, dezembro 31, 2010

Patinar no Gelo


Hoje risco mais um item de uma das listas à direita... patinei no gelo!

Foi divertido, ainda mais pela companhia!

Obrigado!

segunda-feira, dezembro 13, 2010

quinta-feira, outubro 21, 2010

Arrojos


"No me resigno a que, cuando yo muera, siga el mundo como si yo no hubiera vivido"
"Não me resigno a que quando morrer o mundo continue como se eu não tivesse vivido".
(P. Pedro Arrupe sj)


Uma frase com a qual me identifico...

...muito!

domingo, outubro 17, 2010

Ciclos

Tendo percebido que embora seja muito complexo, as vezes tenho mesmo semelhanças com uma máquina de estados...

A exposição a estímulos semelhantes tem em mim efeitos semelhantes. Concretizando, momentos de oração levam-me aos mesmos dilemas (que nessa altura penso que estou a pensar pela primeira vez por aquela vertente). Momentos em que se fala de destino, leva-me à mesma reflexão que também penso que estou a ter pela primeira vez.

Depois, tenho vontade de escrever. Uma vontade agora menos frequente, seja por ser mais normal agora andar mais cansado e serem outras as minhas prioridades e escapes, ou por ter menos reflexões...

Mas assustador é antes de começar a escrever procurar no blog se já escrevi sobre algo semelhante... e encontrar coisas mesmo muito semelhantes senão parecidas... que não fazia ideia que tinha escrito...

Hoje aconteceu-me isso.

Depois dos votos de vários noviços jesuítas a que fui voltei a cair no meu dilema profundo de fé sobre o qual tinha escrito a 2 de Maio de 2010.

Neste mesmo dia, ouvi algumas perguntas a uma pessoa se acredita se havia um destino traçado ou escrito, ou se havia livre arbitrio... e pensei que para mim não são duas opções exclusivas, mas que pode ser uma e a mesma... coisa que tinha escrito a 9 de Maio de 2010...




Parece que estou num ciclo... será que estagnei?

Lembrei-me das poças de água estagnadas, que por falta de força do curso de água, por falta de vontade e fé na sua capacidade de continuar a mover-se para. Desiste. Fica morto, e vai perdendo o aspecto de água que era a sua identidade, passa a ser algo que se um dia foi aquilo para o que foi feito.


Não fui feito para ser uma poça estagnada, e raios se é agora que vou deixar-me ficar assim...


Ps: A TEDx foi o primeiro passo. O objectivo de voltar a escrever mas sobretudo reflectir com regularidade está definido, no caminho para encontrar o meu bombo!

sábado, outubro 16, 2010

TEDxCoimbra


"TED (Technology Entertainment and Design) is a global set of conferences curated by the American private non-profit Sapling Foundation, formed to disseminate "ideas worth spreading". Since June 2006, the talks have been offered for free viewing online, under a Creative Commons license, through TED.com. As of July 2010, over 700 talks are available free online. By January 2009 they had been viewed 50 million times. In July 2010, the viewing figure stands at more than 290 million, attracting a still growing global audience. TEDx is a program that enables schools, businesses, libraries or just groups of friends to enjoy a TED-like experience with TEDx Events they themselves organize, design and host. As of 2010, some 750 TEDx events are scheduled to happen in over 60 countries." - Wikipedia


Hoje fui a uma conferência TEDx, mais especificamente à TEDxCoimbra.



O que me apaixona mais no conceito das TED e que se verificou, é que em qualquer sítio do mundo, a toda a nossa volta, existem pessoas extraordinárias, com histórias extraordinárias... mas estamos geralmente cegos e surdos e torna-se muito difícil ve-las.

Ir a uma TED ou ver uma TED é fazer parte de uma elite. Não de uma elite de sobredotados, intelectuais ou génios. Uma elite que admite que existem pessoas, histórias e sonhos que merecem os nossos "18 minutos" de atenção, num tempo que em os 9:99 minutos do YouTube parecem ser o nosso período máximo de atenção possível...

Hoje tirámos as vendas e abrimos os ouvidos, para deixar de ver e passar a observar bem como deixar de ouvir para escutar como alguém disse...


As TED podem não mudar o mundo, mas pelo menos mudam a maneira como o percepcionamos!


Por isso, obrigado TEDxCoimbra...
...para o ano voltamos-nos de certo a encontrar!


PS: É difícil passar ideias e explicar o que é um dia inteiro, mesmo sendo 18 minutos de cada vez. Houve momentos que pessoalmente gostei mais, mas resumi-los seria minimiza-los. Assim sendo, quando forem disponibilizados os vídeos vou deixar aqui os links para quem estiver curioso...

sábado, setembro 11, 2010

InterRail


View InterRail in a larger map

...

terça-feira, agosto 24, 2010

Missão

Surpresa e sorriso por ver um amigo lá longe a ajudar...


... mas sobretudo orgulho nele.

domingo, agosto 15, 2010

Voar.

Hoje realizei um sonho de criança...



Saltei...

...e voei!


Ps: Mas não fui sozinho! Saltaram comigo o Bernardo Narciso, Ivo Reis, João Cortez, Eduardo Perdido, Bruno Carvalho, Simão Seiça e João Matos!

quinta-feira, julho 29, 2010

It's time for...Walkabout!



Walkabout refere-se a um rito de passagem que os aborigenes Australianos faziam no fim da adolescência passando uma temporada no meio selvagem.


sábado, julho 03, 2010

Grão d'Arraial... com o Tino!


Hoje fui ali.

O que era inicialmente uma coisa pouco esperada rapidamente se tornou num momento épico com a aparição do Tino de Rans... e o nosso apoio à sua actuação...





Só me resta dizer que foi dos momentos mais espectaculares de sempre...

...pelo menos para nós os 4!

Ps: Se gostaram disto podiam também ajudar o Grão!

quarta-feira, junho 02, 2010

We all need a purpose



Todos precisamos de um propósito.

Acredito profundamente nisto. Todos procuramos algo para o qual viver, seja um grande propósito ou uma pequena coisa, ou vários misturados.

Como o vídeo acima fala mostra-se muitas vezes pelo voluntariado que fazemos, a vontade de trabalhar para algo, sem uma recompensa monetária.

A recompensa é o propósito. É o sentimento que fazemos parte de algo maior.

Pode ser ajudar alguém, ser o melhor em alguma coisa, ou simplesmente fazer parte de algo.


As vezes sentimos uma tristeza sem motivo aparente... apenas para perceber que deixamos de ter um propósito e estamos em busca de um novo...

Por algum motivo não gosto da palavra em português, acho muito mais simbólica a inglesa, purpose.


What is your purpose?

terça-feira, maio 25, 2010

domingo, maio 23, 2010

LOST


The man of science became the man of faith.


Hoje acabou a série mais brilhante que já vi.

Mostrou-me que as perguntas são muitas vezes mais importantes que as respostas.

The End

domingo, maio 09, 2010

Math.random()



"I think I'm predestined to have free-will."


O que existe, "free will" ou "destiny"?

Isto é um dos tema de uma série que venero - LOST - mas foi também o tema de conversa num fim-de-semana de preparação de campo de férias para o verão.

Seremos máquinas que recebemos inputs extremamente complexos de tudo à nossa volta, e através do processamento desse input através da experiência vamos ter um output previsível?

Será que estamos perto, ou alguma vez estaremos de criar máquinas com poder computacional suficiente para receber todo o input igual ao que uma pessoa ao lado recebe, seja visual, auditivo, táctil, ou qualquer outro, e processar tudo isto, calculando qual é o output da pessoa? A atitude, o que vai dizer, o que vai fazer, o que está a pensar?

Muitas vezes julgamos-nos imprevisíveis: mas será isto devido à nossa complexidade ou à existência de um elemento de facto aleatório que nos torna imprevisíveis?

Em termos matemáticos segundo a Wikipédia "um número aleatório é um número que pertence a uma série numérica e não pode ser previsto a partir dos membros anteriores da série."

Um dos exemplos que actualmente presumo-se que é aleatório são os números primos, dai ser tão difícil calcular números primos enormes, dado não existe uma formula para saber qual é o próximo. Isto da-lhes um valor importante na encriptação de informação, informática, e em outros campos mas não é por isto que a conversa começou.

Caso o aleatório não exista, podemos assumir que mais tarde ou mais cedo poderemos construir algo que nos consiga prever. Não existindo nenhuma aleatoriedade, como Einstein dizia se "Deus não jogar aos dados" então somos totalmente previsíveis, ainda que muitissimo complexos, somos parecidos com as máquinas de estados: estamos num estado, recebemos um input, e enviamos um output.

Será que é apenas a complexidade a impedir a nossa visão do futuro?
Será o "ainda" não conseguimos a palavra chave?

Chamamos aleatório quando lançamos os dados, mas realidade pode apenas ser uma limitação dos nossos sentidos que nos previne de saber o resultado daquele lançamento, com aquela força, naquele sentido, com aqueles dados...

Até o que chamamos aleatório em computação não o é. É baseado no relógio, no momento em que é processado. Como é pouco previsível o momento em que será computado, e para um humano diria que é impossível ou perto... chamamos-lhe aleatório...


Será que a única e exclusiva coisa que impede actualmente alguém de saber o que vamos dizer ou fazer a seguir é a extrema complexidade de input que recebemos e a acumulação de inputs anteriores que nos influenciam...

Será que isto quereria dizer que não temos "free will"?

A maioria das pessoas provavelmente dirá que caso estas condições se verifiquem e formos totalmente previsíveis, sim.

Pessoalmente não vejo assim, a nossa liberdade não é posta em causa pela nossa previsibilidade. Embora todas as opções que tenha tomado pudessem ser previstas, continuam a ser minhas, fui eu na mesma que as tomei.

Essa própria opção torna-me quem sou, não me limita.


No entanto se assim for, há 1000 anos era possível prever que hoje aqui estaria a escrever isto, embora muitíssimo complexo devido à quantidade de interacções entre tudo o que me fez estar aqui.. basicamente as interacções de tudo, pessoas que se cruzaram com os meus antepassados, cães, gatos, plantas, o que comeu, o que viu, se comeu carne ou peixe...


Confesso que esta hipótese não me perturba. Acho que muitas vezes é bastante arrogante da nossa parte presumirmos que somos mais do que máquinas biológicas, independentemente da fé associada.


Caso de facto a aleatoriedade exista, nem consigo perceber bem as implicações. Muitos diriam que era a prova que a "free will" existe e não o destino.


Actualmente pelo que sei chegamos a um impasse físico, começou-se a observar que as particulas mais pequenas mudavam o seu comportamento a serem observadas... algo bastante estranho para alguém que não é físico.

Mas é esta coisa mesmo estranha que nos impede de prosseguir e perceber se aquela particula,



O bater de asas de uma borboleta em Tóquio...

...pode provocar um furacão em Nova Iorque *, a questão é... podemos prevê-lo?


* Frase famosa relativa à teoria do caos.

Quem achar este tema interessante pode ler sobre a experiência que muitos dizem que prova a inexistência de "free will" aqui.

domingo, maio 02, 2010

Verdade ou Felicidade?


"Não há felicidade senão com conhecimento. Mas o conhecimento da felicidade é infeliz; porque conhecer-se feliz é conhecer-se passando pela felicidade, e tendo, logo já, que deixá-la atrás. Saber é matar, na felicidade como em tudo. Não saber, porém, é não existir". - Fernando Pessoa


Durante este fim-de-semana tive uma reunião em que tivemos vários momentos de conversa que me levaram a algumas reflexões que provavelmente falei em outros posts, no entanto, uma das que ficou mais marcada na minha cabeça foi a conversa sobre o "duelo" verdade versus felicidade.

Começou com a hipótese de "o que farias se morresses e descobrisses que apenas existe um fim terrível e não uma pós vida bonita? Voltavas para contar e destruías a felicidade de meio mundo?"

Isto levou-me a uma questão muito profunda que me consome. No duelo verdade vs felicidade acho que é que a verdade que ganha dentro de mim na maioria das vezes. Isto reflecte-se na minha resposta:

"Claro que vinha. A felicidade deles seria falsa se acreditavam num pós-vida bom, presumindo que esse não existia. Era uma felicidade falsa também..."


Isto tem implicações complicadas. Primeiro que tudo depois de algum tempo percebi que é a repudiação do filme "A vida é bela", o que me deixou bastante confuso porque admiro imenso aquela capacidade da personagem para animar o filho.

Em termos de fé apresenta complicações grandes também. Eu posso ter noção que sou mais feliz tendo fé, mas como não consigo saber qual é a verdade fico sempre numa incerteza que me impede de ser mais feliz.

Continuei a minha resposta com "Não dizer a verdade seria egoísmo. Impedir as pessoas de decidirem com todos os factos".

A verdade é que não se chega nunca a uma conclusão absoluta.

A conclusão será sempre pessoal, na verdade é mais uma opção que uma conclusão.


Geralmente inclinado mais para o meu lado cientifico, portanto para a verdade, interrogo-me que se a escolher, tendo consequências para a minha felicidade isso será algo que no último suspiro que tenha não me vou arrepender..

Tal como Fernando Pessoa dizia:

"O homem vulgar, por mais dura que lhe seja a vida, tem ao menos a felicidade de a não pensar". - Fernando Pessoa

Será possível haver felicidade sem verdade? Embora me pareça bastante evidente que sim, incomoda-me... é.... falso!


O que vale mais para ti, a verdade...
...ou a felicidade?

domingo, março 28, 2010

As melhores partidas


Há uma coisa que façam com alguma regularidade, e que me tenho tornado mais refinado... fazer partidas.

Decidi que seria engraçado partilhar aqui, (com mais regularidade), algumas delas, especialmente porque tenho percebido que eu próprio me vou esquecendo de algumas enquanto que as pessoas que as vêem comigo de vez em quando me lembram.

Espero trazer alguns momentos de diversão a um blog que tem sido em geral mais sério, afinal de contas rir faz bem.

Se bem que...

...isto pode ser em si uma partida!

domingo, março 21, 2010

Avaliação


Numa reunião durante este fim-de-semana falamos sobre avaliação e sobre como avaliar não é despejar o nosso saco e dizer o que nos apetece sobre a outra pessoa.

Como implica perceber que serve para fazer a outra pessoa crescer e que tem que se perceber até que ponto a outra pessoa tem capacidade de encaixar a crítica e qual a melhor maneira.

Acho que já fazia um pouco disto, de forma inconsciente.. mas foi muito interessante relembrar conceitos de feedback.

A mensagem que enviamos quando chega ao receptor já não é a mesma que que queríamos enviar e ainda se perde mais com a sua interpretação.

Saber dar feedback não é básico...

...embora a generalidade dos maus "feedbackers" pense que sim...

sexta-feira, março 19, 2010

Porque me irrita o futebol...


Desde pequeno que nunca fui como a generalidade dos portugueses um grande apreciador de futebol.

Primeiro lembro-me de pensar como tinha pouca piada, 90 minutos e as vezes sem golos... era muito mais giro o basket por exemplo, em que a cada minuto havia cestos e jogadas engraçadas, ou outro desporto..

Depois sempre achei mais piada a praticar desporto do que a ver. Melhorar as minhas capacidades em vez de admirar as dos outros sempre me pareceu uma coisa mais interessante.

Mas conforme fui crescendo, fui percebendo e até encaixando algumas das coisas que agarram no futebol, especialmente pela selecção, com o Euro 2004.

O futebol é um desporto de emoção e convívio, em que escolhemos uma equipa, por um motivo geralmente pouco racional, e que a partir dai defendemos com todos os argumentos. É uma relação afectiva com algo, coisa que socialmente começamos a ter pouco. Temos a envolvencia de mais gente à nossa volta, e quando mais "atacam" o nosso clube mais nos apegamos a ele e o defendemos ao mesmo tempo atacando o outro...

É portanto um ciclo vicioso interessantíssimo de estudar socialmente. Torna-se o mínimo múltiplo comum, aquele tema que para além do tempo podemos falar com qualquer pessoa, e animar qualquer conversa, com teorias e polémicas... ao contrário de um tema mais profundo que menos gente se interessaria, teria vontade de falar ou teria conhecimentos para o fazer...

Faz-me confusão.

Em geral, puxa-nos para o menos racional, porque vive disso. Do nosso amor à camisola, e ao símbolo, à instituição, que todos os anos muda os representantes dentro de campo, e muitas vezes os fora de campo e que pouco mais tem de comum com o passar dos anos do que o símbolo e nome.

Engraçado que se fala cada vez mais nos extremistas religiosos e se é cego aos extremistas do futebol que em claques tem uma tendência de estupidez pura e destruição... como a generalidade dos grupos de pessoas grandes que quando se junta parece perder a racionalidade que têm como indivíduos para regredir ao macaco que vive neles.

Mais do que isso, um factor que faz o futebol ter sucesso são as conversas de café, é ai que ele vive, em cada um dos 10 milhões de treinadores de bancada... E não é incosciente, os líderes do futebol internacional tem consciência disto, tanto que ano após anos mostram-se relutantes em introduzir elementos tecnológicos que retirem as decisões erradas, ou incertas que alimento essas mesmas conversas...

Provavelmente, aprenderam com o que aconteceu com o Xadrez.. quando chegou ao cúmulo da evolução tecnológica em que a máquina já era mais importante que o homem (e o vencia) deixou de ter importância e se tornou radicalmente menos falado e interessante no mundo.



Se é verdade que a importância que lhe dou é igual, quase nula...

...agora vejo mais, pergunto-me se estarei a ser vencido interiormente...

domingo, fevereiro 28, 2010

La nieve!




Neve... e mais neve, amigos, quedas, riso, uma muito especial aniversariante, uma surpresa...e CHULETONS!




Que se volte a repetir!

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

2010 - 2006 = 4

E vão 4 anos!

4 anos de uma relação que nasceu em 2006 e continua a crescer!

Amo-te :-)

Ps: 11/11/2011 ? :-P

terça-feira, janeiro 19, 2010

Ultra Death Sauce

Ando numa de: "Um dia vou experimentar... hoje é o dia".

Assim, depois dos Crackheads, fiz uma encomenda de 7 garrafas do picante mais forte do mundo, segundo o Guinness: Ultra Death Sauce.

Apenas uma ficou para mim, as restantes espalharam-se por Coimbra, Lisboa e Porto. Estarei a espalhar o inferno?

As coisas vão começar a aquecer...

...vamos ver quanto...

sábado, janeiro 09, 2010

Conceitos de beleza


Tenho uma relação amor-ódio com o conceito de beleza.

Primeiro que tudo, o conceito de beleza humana é intuitivo mas complicado, para mim, de aceitar pelas suas consequências.

Vivo pela filosofia que somos todos iguais e que devemos ter todos as mesmas oportunidades... e se refutar que a inteligência média de um humano não difere muito é relativamente fácil (pelo menos para já, dado que os factores externos são difíceis de quantificar).. a beleza estética já é mais complicado... e isso não é muito fácil de assimilar para mim.

A verdade é que como a generalidade das pessoas sinto mais empatia por pessoas que sigam o padrão de beleza ocidental, pelo menos à partida. Mas é algo contra o qual luto.. porque é à partida um principio de selecção, mas um com grande probabilidade de falha... na realidade a pessoa pode ser muito mais antipática, burra ou sem sal.

Esta condicionante inicial parece limitar o olhar. Um dos casos mediáticos que é fácil de perceber é o de Susan Boyle... provavelmente nunca chegaria ao sucesso pelo seu aspecto, se não fosse aquele programa.

Das figuras públicas é esperado que tenham um aspecto fisico excepcional, especialmente das mulheres, porque isso cria logo empatia masculina. As qualidades profissionais podem-se ir ganhando depois...

Curiosamente até os filmes de Hollywood tem por vezes uma caricatura (que se aplica a eles mesmos), quando nas comédias românticas pega num rapaz que se apaixona pela miúda mais gira... mas que não tem nada a ver com ele e acaba por perceber isso. Por exemplo no American Pie, a Nadia vs a Michelle (band camp geek).

Um dos momentos que mais gosto relacionado com isto, é o caracterizado pelo filme Einstein and Eddington no fim do filme, em que a teoria de Einstein finalmente é tida como verdade, e os jornalistas enchem o prédio, e batem à porta. Lá dentro a amante de Einstein diz-lhe para ele se arranjar para ir falar com os jornalistas, dado que tinha um aspecto despenteado, e pouco arranjado. Ele anui e repentinamente despenteia-se mais, tira a camisa de dentro das calças, torce ainda mais a gravata.. e abre a porta, sendo o resultado algo que devem conhecer...


Acho que julgar as pessoas pelo aspecto é a questão base que quero ultrapassar, que luto contra as minhas primeiras tendências...

...porque acho que, ao contrário da intuição, só tenho a ganhar com isso!

quinta-feira, janeiro 07, 2010

Crackheads 2


Depois de descobrir neste site que os Crackheads 2 eram das coisas com mais cafeína.. fiquei curioso....

Nem sou grande amante de café mas isto valia a pena experimentar.

E alguém teve iniciativa de encomendar...

... chegaram hoje!

[Edição Posterior] Após ver alguém comer uma caixa inteira depois de uma directa e não conseguir dormir... diria que fazem mesmo efeito.