domingo, maio 05, 2013

Teorias da Animação - O Director-Adjunto


Ser adjunto, é ser braço direito, ser sombra e ser serviço.

Tenho sempre muita relutância em dar sugestões e opiniões sobre um director adjunto, pelo simples motivo que ele é sobretudo o reflexo do director.


Fui apenas 2 vezes adjunto, e nessas duas tive posturas e funções bastante diferentes consoante o que o director me pedia. Foi de longe a função que mais tive dificuldade em exercer, e a única em que entrei em conflito com um director (todos temos os nosso momentos menos bons). 

Embora seja complicado definir um adjunto, há coisas bastante comuns. A primeira e mais clara é que é o braço direito (ou esquerdo do director, consoante as funções que a mamã ocupar). Mas geralmente é o direito. É aquele a quem o director confia gerir as coisas onde ele não está.

Geralmente o adjunto é visto como o líder dos animadores livres, essa classificação não é muito clara para mim. O adjunto tanto pode ser uma pessoa ausente do campo, (porque está sempre a sair para fazer as tarefas a realizar fora do campo caso existam, e por isso a sua coordenação dentro do campo é pequena), como ser um dos animadores que sai pouco ou nada do campo (já tive um adjunto sem carta de condução que portanto saiu 0 vezes do campo).
Há muitas vezes que o adjunto, que o é pela primeira vez se sente perdido no campo. Não é livre, mas também não é equipa, nem director e portanto não sabe bem o que fazer. Ora em funções práticas, o adjunto poderá acompanhar os livres sempre que não tenha funções especificas que o director lhe tenha atribuido. E que funções podem ser essas: Para mim o adjunto é sobretudo o "fail-safe" do director. É aquele com quem ele partilha as suas maiores limitações e o ajuda a supera-las. Enquanto director o meu maior problema era os horários. Eu tinha de facto problemas em cumprir e mantém horários pelo que pedi sempre aos meus adjuntos (a partir do momento que percebi que era um problema) para se manterem atentos e me alertarem quando eu pudesse falhar. Portanto enquanto adjunto sempre senti que estava ali para fazer o que quer que o director me pedisse, aprendi também a partilhar com ele as minhas próprias limitações para que não me fosse pedido algo que não me sentia capaz. - Função do adjunto

Deve ajudar o director a estar menos exposto e "gastar menos" a sua autoridade, ou seja, não pode nem deve sempre ser o director a dar um "sermão". Muitas vezes serão os animadores equipa ou eventualmente os livres, mas quando é necessária mais autoridade o adjunto poderá ser essa figura de autoridade, fazendo com que o director só apareça em casos extremos e pontuais sendo a sua palavra muito mais forte assim - Gestão de autoridade

O adjunto é importantíssimo na consolidação do director, é aquele que mesmo que não concorde não pode nem deve à frente dos restantes animadores dize-lo. Estará sempre ao lado do director e quando tiver alguma chamada de atenção a fazer-lhe será sempre em privado. A sua declarada e evidente "lealdade" ao director ajudará a que a restante equipa também o respeite mais. Em última instância ele deve sempre lembrar-se que é o director que de facto manda (embora deva sempre decidir após consulta à direcção). - Consolidação do director

Encaram também muitas vezes o adjunto como um nítido futuro director, isto é algo que eu tenho algum pudor em fazer, simplesmente porque um adjunto pode ser um excelente adjunto e não ser bom director, ou não querer ser director. Um exemplo simples que vejo dum desses casos, o Jacinto que é um grande adjunto e nunca quis ser director. E porque refiro isto? Por uma questão de gestão de expectativas: enquanto adjunto devemos não ser adjuntos para sermos futuros directores, mas ser adjuntos para ser adjuntos. - Expectativas futuras


Sem comentários: