sábado, março 29, 2014

Nasceste!


Filho,


Nasceste! E nasceste de facto com a força de um urso, és dos fortes!

Vimos isso mesmo por 9 meses em que fizeste coisas denominadas impossíveis e em mais de 14 horas de parto e alguns dias mais de luta.


Mas esta força que já te define deverá ser sempre utilizada para um bem maior.

Esse bem acreditamos que pode ser manifestado em grande parte na tua vida pela repulsa da lei do mais forte: Como dizia o senhor Baden-Powell "passando o forte a PROTEGER o fraco".


É com isto em mente que escolhemos o teu nome que significa "aquele que protege" e te damos as boas vindas ao mundo (exterior):


Guilherme C.F. Vicente


Nota de contexto:

Guilherme: Significa "aquele que protege" (ou “protetor decidido” ou “protetor corajoso”).








O teu nome tem origem no germânico Willahelm, composto pelos elementos will, “vontade, desejo” e helm, “proteção, capacete”. William é a variante inglesa de Guilherme.

domingo, março 02, 2014

Porque acho que o voto em branco, nulo e abstenção... não são grande ideia



Existe um descontentamento com a democracia. 

É bastante óbvio... e não é de Portugal. Toda a Europa sofre do desencanto com o sistema político actual. Toda a gente (ou praticamente) quer uma democracia, mas também toda a gente acha que o sistema não funciona e ainda mais que virtualmente qualquer pessoa que seja eleita... é por defeito corrupta. 

Nos últimos anos a convicção profunda, que inicialmente é dita em tom de brincadeira mas que rapidamente se fixa no inconsciente das pessoas é que qualquer político só o é porque ou não sabe fazer mais nada ou para através da corrupção ter algum tipo de vantagem e eventualmente enriquecer ilicitamente.

O pensamento que a política é a mais nobre das profissões ou que lá estar é um serviço parece ter-se extinto.


É de certo uma consequência da desilusão continua com casos mediáticos de políticos a tomarem decisões no mínimo duvidosas se que nunca haja punição para as consequências ruinosas que trazem para o estado.

O que se vê é então uma descrença total no funcionamento do sistema democrático actual...

A abstenção tem sido considerada um dos principais sintomas deste problema:

Abstenção em Eleições Autárquicas:
1976 - 35,4%
2013 - 47,4%

Aumento de 12%

Fonte: Pordata
http://www.pordata.pt/Portugal/Taxa+de+abstencao+nas+eleicoes+para+as+Autarquias+Locais-2210

Abstenção em Eleições Legislativas
1975 - 8,5%
2011 - 41,9%

Aumento de 33,4%

Fonte: Pordata 
http://www.pordata.pt/Portugal/Eleitores+nas+eleicoes+para+a+Assembleia+da+Republica+total++votantes+e+abstencao-2181

Abstenção em Eleições Presidenciais 
1975 - 24,5%
2011 - 53,4%

Aumento de 28,9%

Fonte: Pordata
http://www.pordata.pt/Portugal/Eleitores+nas+eleicoes+para+a+Presidencia+da+Republica+total++votantes+e+abstencao-2172


Poderia dizer-se que é devido a isto que os Portuguesas não votam, e os dados parecem comprovar que existe de facto um aumento.

Esses mesmos dados mostram que 1/4 dos Portugueses que podiam votar não o fizeram nas primeiras eleições presidenciais. Ainda foram mais os que não votaram nas autárquicas... portanto o descontentamento parece ter acentuado algo que já existia.


O racional por trás disto - assumindo que a maioria dos comuns cidadãos são responsáveis ao ponto de não se descartar das suas responsabilidades por comodismo - é que qualquer que seja o voto  a consequência pratica não será relevante, ou seja, qualquer que seja o elegido nada ficará melhor.

Engraçado muita gente reivindicar que o voto em branco é sinal de protesto e se mais votassem alguma coisa teria que mudar. Notícia frescas (ou não)... voto branco legalmente em Português não significa NADA, não serve para NADA, na prática é igual ao voto nulo, sem a parvoíce de ir votar e escrever lá coisas que ninguém prestará atenção.

Verdade que dou mais crédito em quem vota em branco do que em quem fica em casa (nulo já é só parvoice)... mas a verdade é que legalmente tem que haver sempre alguém eleito, e portanto se tirarem algum tempo para pensar bem na coisa, mais vale votar pelo menos no que acham "menos mau" se não acharem nenhum bom.


O risco de não o fazer? Deixarem a decisão para outros... 

Parece-me gritante um facto que parecem ignorar... poderá não melhorar com os candidatos X e Y, mas poderá piorar? Parece-me que sim.

O resultado disto parece-me que tem sido gritante, a extrema esquerda e direita tem ganho representatividade com esta passividade do comum cidadão que acha que nada muda no status quo...



Daqui a uns anos esperemos que não se arrependam de não ter votado "nos tipos que mantém a coisa na mesma"...



... e já agora sinceramente, se acham que realmente com os candidatos que estão lá nada muda, envolvam-se, e tentem candidatar-se ou arranjar um candidato com que se indiquem, caso contrário melhorar não melhoramos, mas piorar... isso é sempre possível.